Famílias das vítimas mortais recebem indemnizações

Famílias das vítimas mortais recebem indemnizações

 

Lusa / AO online   Nacional   8 de Nov de 2007, 15:23

As famílias das vítimas mortais do acidente de segunda-feira com o autocarro da Câmara de Castelo Branco vão receber pelo menos 35 mil euros de indemnizações referentes aos seguros feitos pela autarquia e pela Universidade Sénior.
Segundo fontes das seguradoras Allianz e Fidelidade, os montantes a pagar no imediato - 15.000 euros/pessoa no caso da Alianz, referente ao seguro dos ocupantes do autocarro, e 20.000 euros/pessoa, no caso da apólice de acidentes pessoais da Fidelidade contratada pela Universidade Sénior - decorrem de processos independentes do apuramento de responsabilidades do acidente.

Em declarações à Lusa, fonte da Allianz disse que, além do seguro obrigatório de responsabilidade civil, a Câmara de Castelo Branco tinha contratado um seguro de ocupantes (não obrigatório) e é essa apólice que permite o pagamento imediato das indemnizações de 15.000 euros às famílias das vítimas mortais e àqueles que ficarem permanentemente incapacitados.

"Estas indemnizações correm num processo independente daquele que irá apurar a responsabilidade do acidente e são cumulativas com quaisquer outras ligadas ao seguro obrigatório do veículo ou a outros seguros eventualmente contratados", explicou.

"Todos estes valores, que envolvem igualmente as despesas com tratamentos médicos e funerais, já estão a ser pagos. Desde terça-feira que estão peritos da companhia no local a tentar identificar os beneficiários das vítimas mortais", acrescentou.

As indemnizações a pagar relativas ao seguro obrigatório serão apenas definidas depois de apuradas as responsabilidades do acidente.

De acordo com José Carlos Sereno, director de marketing da Allianz, os valores destas indemnizações "envolvem factores como a idade, se a pessoa tem ou não famílias e que tipo de família, mulher/marido ou filhos, com que idade, e se estava ou não no activo ou não... tudo isto tem de ser analisado antes de se calcular o montante, que será posteriormente definido por um juiz".

"No prazo máximo de 10 dias teremos os relatórios dos nossos peritos. Se os relatórios de todas as entidades forem no mesmo sentido, será mais fácil e mais rápido chegar ao culpado, ou culpados, do acidente", afirmou José Carlos Sereno.

O mesmo responsável adiantou que, depois de apuradas as responsabilidades, as indemnizações, no caso das vítimas mortais, serão mais fáceis de definir.

"No caso das vítimas mortais, o processo poderá demorar meia dúzia de meses. Agora no caso de ferimentos que impliquem internamento o seguro pode ficar aberto durante anos", adiantou.

Quanto ao seguro feito pela Universidade Sénior em Outubro, fonte da Fidelidade adiantou que abrange um valor de 20.000 euros por pessoa e envolve morte ou invalidez.

O automóvel envolvido no acidente está coberto por um seguro da Zurich com uma responsabilidade civil de 1.800.000 euros, 1.200.000 dos quais para danos corporais e 600.000 para danos materiais.

Segundo disse à Lusa Rui Gil, director de sinistros da Zurich, "a companhia tem várias equipas no local a trabalhar no caso para que se apurem as responsabilidades do acidente o mais rapidamente possível, se esse apuramento for possível".

"Às vezes não é possível atribuir uma responsabilidade directa", salientou Rui Gil, esclarecendo que, neste caso, na hipótese da responsabilidade ser do condutor do veículo automóvel, a companhia "cumprirá todas as suas obrigações".

O responsável disse ainda esperar que o trabalho de apuramento de responsabilidades demore algumas semanas.

Rui Gil esclareceu ainda que, caso o valor das indemnizações a atribuir às famílias das vítimas ultrapasse o montante definido para danos corporais (1.200.000 euros) "o restante fica sempre a cargo do culpado do acidente".

O acidente de segunda-feira na A23, perto de Vila Velha de Ródão, envolveu um automóvel e um autocarro da Câmara de Castelo Branco cujos ocupantes eram alunos da Universidade Sénior daquela cidade.

O acidente provocou um total de 16 mortos e 22 feridos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.