Sociedade

EDA justica abate de árvores em propriedade privada

EDA justica abate de árvores em propriedade privada

 

Lusa/AOonline   Regional   9 de Out de 2008, 11:58

A eléctrica açoriana (EDA) garantiu que foi necessário cortar mais de meia centena de árvores numa propriedade privada, em São Miguel, para garantir a segurança da rede, apesar da contestação da família Bizarria.
Com um despacho judicial nas mãos os técnicos da EDA, acompanhados da PSP, entraram quarta-feira na propriedade privada da família Bizarria para realizar "trabalhos de manutenção e beneficiação da linha da rede eléctrica", o que incluiu "o corte e decote de arvores", assegurou Albano Dias Ferreira, advogado da eléctrica açoriana.

    Desde 1992 que a família Bizarria "luta" para que a EDA retire da sua propriedade os cabos de alta tensão, que segundo os proprietários foram ali instalados sem o seu "conhecimento e autorização".

    "Quando regressámos de vez a São Miguel [depois de terem estado emigrados nos Estados Unidos da América vários anos] encontramos este cenário", contou à agência Lusa Cristina Bizarria, que vive com o marido e duas filhas numa casa onde as linhas de alta tensão estão a poucos metros de distância do telhado.

    Segundo Albano Dias Ferreira, o Tribunal da Ribeira Grande já havia designado "inúmeras datas" para a realização destes trabalhos, mas nunca foi possível realizá-los por oposição e proibição de entrada da EDA na propriedade da família Bizarria.

    Perante os consecutivos adiamentos a EDA avançou com uma providência cautelar, que foi julgada procedente, um acto que o advogado da empresa considerou necessário por estar em causa a segurança de pessoas e da rede eléctrica caso nada fosse feito.

    As regras de segurança referentes às linhas de alta tensão recomendam para que as acções de manutenção ocorram de cinco em cinco anos, acrescentou.

    "Fizemos apenas trabalhos de manutenção da linha", assegurou Albano Dias Ferreira, rejeitando que tenham ocorrido noutras ocasiões alterações nas linhas de alta tensão existentes no local.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.