Cristas acusa PS de usar Estado como uma "grande casa para acomodar a família"

Cristas acusa PS de usar Estado como uma "grande casa para acomodar a família"

 

Lusa/Ao online   Nacional   31 de Mar de 2019, 12:00

 A líder centrista, Assunção Cristas, apresentou este sábado o CDS-PP como a “única escolha possível para quem é de direita” e atacou o PS por pensar que o Estado “é uma grande casa para acomodar a família”.

A acusação foi deixada por Assunção Cristas ao encerrar uma sessão na Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos, em Lisboa, uma espécie de “estados gerais”, e em que retomou o tema das relações familiares dentro do Governo do PS, de António Costa.

“Rejeitamos uma visão, a que vimos assistindo nestes anos de socialismo, de que o Estado é uma grande casa para acomodar a família. Nós rejeitamos. O Estado não é dos partidos, não pode ser dos partidos e é por isso que nos levantamos por uma alternativa de direita em Portugal”, disse a dirigente, falando para militantes e simpatizantes do partido.

Pelo contrário, afirmou a líder do CDS-PP, O Estado "existe para servir as pessoas", para "garantir coesão" e a "coesão territorial".

No discurso, Cristas disse e repetiu que “o CDS é a única escolha possível para quem é de direita em Portugal”, repetindo o que já disse antes de que um voto nos centristas não vai para “as mãos do dr. António Costa”, por comparação dom a posição do PSD, liderado por Rui Rio.

Numa sessão em que se debateram ideias para o programa eleitoral do partido para as legislativas, a presidente dos centristas não avançou com propostas, mas sim com posições de princípio, como a liberdade de escolha do cidadão ou um setor da saúde com uma parte pública, outra privada e social.

"Acreditamos na iniciativa privada, no mérito, que tabalhando melhor conseguimos mais", afirmou.

A iniciativa “Ouvir Portugal” recolheu 120 propostas ao longo de 17 meses, em encontros nos 18 distritos e duas regiões autónomas, e hoje a responsável pela organização, Raquel Abecassis, entregou uma “pen drive” com essas ideias ao grupo de trabalho que vai elaborar o programa eleitoral, liderado por Adolfo Mesquita Nunes.

O agora ex-vice-presidente da direção de Cristas alinhavou algumas linhas mestras, como retirar o peso do Estado da sociedade, na questão dos impostos.

“O Estado senta-se todas as noites à nossa mesa e come. Come mais do que gostaríamos”, afirmou Mesquita Nunes.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.