Consumo de gás natural deverá duplicar até 2015


 

Lusa / AO online   Economia   27 de Nov de 2007, 16:30

A consultora A.T. Kearney prevê que o consumo de gás natural em Portugal quase duplique até 2015, de 4,4 mil milhões de metros cúbicos em 2006, para 8,5 mil milhões de metros cúbicos em 2015.
O consumo de gás natural em Portugal deverá registar um crescimento muito acima do da Europa, com um crescimento de 8 por cento ao ano até 2010 e de 7 por cento ao ano até 2015, face a uma média europeia anual de 1,6 por cento.

O mercado de gás em Portugal deve crescer de 4,4 mil milhões de metros cúbicos (m3) em 2006 para 8,5 mil milhões de m3 até 2015, refere a consultora.

A capacidade instalada de centrais de ciclo combinado a gás natural deve evoluir de 2.200 megawatts (MW) em 2006 para 6.590 MW em 2015, residindo aqui o grande impulso de crescimento do mercado de gás em Portugal, refere a consultora.

Na Europa, a A.T. Kearney estima que o consumo do gás aumente 26 por cento até 2020, sofrendo, simultaneamente, uma quebra de 43 por cento na produção própria.

Nesse sentido, a consultora prevê que a Europa tenha de investir 25 mil milhões de euros em infra-estruturas para garantir o fornecimento de gás a longo prazo.

Desses 25 mil milhões de euros, 15 mil milhões serão destinados a projectos de gasodutos, nomeadamente, em projectos de ligação da Rússia ao Mar Báltico.

Prevê-se que a Gazprom seja o maior investidor nesta frente com um plano de cerca de dois mil milhões de euros.

A consultora prevê ainda que o volume de gás importado na Europa, através de gasodutos, cresça cerca de 50 por cento até 2020, e que as importações de gás natural liquefeito aumentem para mais do triplo.

Quanto ao gás natural liquefeito, a consultora prevê que a procura triplique até 2020.

Nesta área, serão a British Gás e a Qatar Petroleum os maiores investidores em terminais de regaseificação com 1.600 e 1.000 milhões de euros, respectivamente.

O gás natural é a segunda fonte energética mais importante da União Europeia depois do petróleo, cobrindo um quarto do total das necessidades energéticas.

A consultora prevê que a dependência europeia dos países exportadores de gás como a Rússia e a Argélia continue a aumentar.

No entanto, com o aumento da procura por parte da China e da Índia é de esperar escassez de fornecimento, sendo crucial que as empresas europeias assegurem o acesso a novos gasodutos e a gás natural liquefeito.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.