Açoriano Oriental
Meia de Rock
A reinvenção do Festival de Verão em tempos de pandemia

Num verão atípico, marcado por uma pandemia, quase todos os festivais de verão foram cancelados. Mas, como diz o poeta, "há sempre alguém que resiste". A Maré de Agosto e o Azores Burning Summer tiveram que se reinventar para resistir.


Autor: Manuel Silva

Nunca nos cansamos de dizer – há festivais com música e festivais com espírito. Música – melhor ou pior – há em todos os festivais. Um festival com espírito é sempre mais difícil de encontrar. E o que é o espírito? O espírito não é mais que um contexto. Um contexto feito de pequenos pormenores que nos levam a experienciar momentos inesquecíveis que vão muito para além da música. A música é essencial, sim, mas funciona como uma liga que nos envolve num espírito de amizade, comunidade, partilha e amor.

Não é segredo que a Maré de Agosto carrega este espírito e que até tem nome próprio. O Spirrit da Maré é indissociável de Santa Maria, da Praia Formosa e das gentes marienses. A tranquilidade transmitida pelo areal de águas cristalinas e a amizade emanada por qualquer mariense que se preze são fatores chave para tonar três dias de música numa experiência incrível. Tudo isso, a pandemia levou.

É certo que o contexto atual não nos permite beber uma fresca no Paquete ou dar um salto ao teste de som durante a tarde, mas a amizade e a música ninguém nos tira. A Maré fez a sua parte – deu-nos música, levou-nos ao palco da Praia Formosa e deu-nos conversa diária com a gente que fez, e faz, a Maré. Cabia a cada um de nós, nas nossas casas, juntar a amizade e a boa disposição.

Mesmo em formato online, a Maré manteve o compromisso com a cultura e com a música que tanto lhe caracteriza. Isabel Mesquita, mariense que carrega o seu incrível “Ilhéu”, os enérgicos Santrofi, Voyagers ou Julian Marley, com o reggae que lhe vai no sangue, foram alguns dos nomes que subiram ao palco virtual da maré. Todos estes artistas estavam já contratados para subir a palco da Praia Formosa em 2020, mas continuam com passagens marcadas para a edição de 2021 – antevê-se, desde já, uma Maré 2021 memorável.

Mais destemida foi a abordagem do Azores Burning Summer, em São Miguel. Em meia dúzia de anos, o Azores Burning Summer já conseguiu criar raízes no Porto Formoso. O contexto de um festival numa pequena localidade, com praia a dois passos, com uma vertente ecológica e com um alinhamento musical diferenciado, tornou o Azores Burning Summer num caso sério entre os festivais açorianos. A organização não abriu mão do seu Porto Formoso e, apesar de alguma controvérsia na praça pública, optou por trazer um festival em formato matinée.

Durante quatro dias, a Praia dos Moinhos recebeu música, artistas locais, cinema e muito boa disposição dividida pelos 150 festivaleiros que a pandemia deixou estarem presentes. Sara Cruz, Nordela Jazz Convention, PMDS, Tape e Matti foram alguns dos artistas chamados a palco, numa altura em que os palcos escasseiam. Concorde-se, mais, ou menos, o Azores Burning Summer fez questão de manter acesa a chama da esperança num regresso à normalidade, dando a mão aos artistas e profissionais da arte nestes tempos de incerteza, sem nunca perder a sua alma e espírito de festival.

O contexto é o que faz um festival ser festival, mas sem festival o contexto não é contexto. A comunidade que anseia todo o ano por um evento que traga a música, a amizade e o desenvolvimento local ficou, este ano, sem chão. Seja a Maré de Agosto, o Azores Burning Summer, o Monte Verde Festival, o Jardim Fest ou qualquer outro, todos fazem falta. Para o ano esperamos ter a possibilidade de escolher entre a panóplia de eventos culturais de qualidade a que já estávamos habituados – para o bem da nossa saúde mental, mas também para o bem de quem organiza, de quem monta o palco, de quem ganha a vida da música. Para o bem de todos.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.