Trabalhos para a construção da Ponte 25 de Abril começaram há 50 anos

Trabalhos para a construção da Ponte 25 de Abril começaram há 50 anos

 

Lusa / AO online   Nacional   3 de Nov de 2012, 11:18

Três milhões de parafusos, 300 mil metros cúbicos de betão e 82 mil toneladas de peças de aço foram alguns dos materiais necessários para erguer a Ponte 25 de Abril, que começou a ser construída há 50 anos.

 

Criada para combater a insuficiência dos sistema de “ferry boats”, moroso e difícil, a ponte é atualmente atravessada diariamente por 150.000 veículos e por 150 comboios.

Segundo informação da Estradas de Portugal, o crescimento demográfico excessivo nas zonas urbanas e suburbanas a norte de Lisboa e a necessidade de promover a ocupação humana da margem sul foram outras razões que levaram o Governo da altura a investir numa ponte sobre o Tejo em Lisboa.

Desde que a ideia foi lançada até ao lançamento de um concurso público internacional e à escolha de um projeto, decorreram 77 anos.

Durante esse período foram apresentadas 12 ideias para a ponte e a sua localização, das quais quatro da autoria de engenheiros portugueses, três de espanhóis, três de norte-americanos, uma francesa e uma alemã.

A primeira proposta registada é a do engenheiro Miguel Pais, que em 1879 sugeriu a construção de uma ponte mista, rodo e ferroviária, entre o Grilo e Montijo, com tabuleiro duplo, semelhante à Ponte Eiffel em Viana do Castelo.

Apesar do grande apoio pelos meios técnicos, esta ideia não teve seguimento.

As outras propostas que se seguiram sugeriam ligar o Chiado a Almada, a Rocha do Conde de Óbidos a Almada, o Beato ao Montijo e Santa Apolónia a Cacilhas.

Entretanto, em 1942, no pós-guerra, a ideia de se construir a ponte sobre o Tejo em Lisboa foi relegada para segundo plano, quando o Governo decidiu privilegiar uma solução mais modesta, que implicasse um menor investimento.

Por isso, em 1951 era inaugurada a ponte Marechal Carmona, em Vila Franca de Xira, numa zona onde o leito do rio era mais estreito.

Oito anos depois foi finalmente lançado o concurso público internacional para a construção da ponte suspensa sobre o rio em Lisboa.

A obra foi adjudicada à empresa norte-americana United Steel Export Company e iniciaram-se a 05 de novembro de 1962, com um prazo de execução de 51 meses.

Quarenta e cinco meses depois, a empresa norte-americana dava a obra por concluída.

Com 2.277,64 metros de comprimento, a ponte foi preparada para resistir à ação do vento até velocidades de 175 quilómetros/hora e apresentava no pavimento uma conjugação de grelha aberta e fechada para assegurar a estabilidade aerodinâmica.

Na altura, o custo da obra foi de dois milhões e duzentos mil contos (cerca de 11 milhões de euros, sem ajustes à inflação).

Chegaram a estar envolvidos na construção da ponte 3.000 operários por dia e registaram-se apenas quatro mortes.

A ponte passou a ser chamada Ponte Salazar (ainda que a sua designação legal se mantivesse Ponte Sobre o Tejo), em honra ao Presidente de Concelho.

Na altura, era a maior ponte suspensa da Europa e a quinta maior do mundo.

Atualmente é a sexta maior da Europa e a 21ª do mundo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.