Socialista deve ocupar pasta dos Negócios Estrangeiros europeu

Socialista deve ocupar pasta  dos Negócios Estrangeiros europeu

 

Lusa/AO Online   Internacional   27 de Out de 2009, 08:01

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defendeu hoje no Luxemburgo que o novo cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros da UE seja ocupado por um socialista, uma questão que está a ser discutida pelas principais famílias políticas europeias.

"Tenho privilegiado este ponto de vista, de favorecer para a família dos socialistas e democratas europeus a figura do alto representante" da Política Externa da UE, disse Luís Amado à entrada de uma reunião dos chefes da diplomacia dos 27.

Estes responsáveis europeus estão a preparar a reunião dos chefes de Estado e de Governo da UE que terá lugar quinta e sexta-feira em Bruxelas, que no entanto não deverá tomar uma decisão sobre esta questão.

"O perfil é importante, mas mais importante, do meu ponto de vista, é um acordo de princípio" entre as principais famílias políticas europeias sobre a divisão dos cargos, insistiu Amado.

O chefe da diplomacia portuguesa é da opinião que, tendo o Partido Popular ganho as últimas eleições europeias e estando um seu militante, José Manuel Durão Barroso, no lugar de presidente da Comissão Europeia, seria agora "do ponto de vista político mais equilibrado" que o lugar de alto representante, que acumula com uma das vice-presidências da mesma instituição, fosse atribuído a um socialista.

Para Luís Amado, o debate dos chefes de governo europeu irá centrar-se, no final da semana, na resolução dos problemas colocados pelo presidente da República Checa à ratificação do Tratado de Lisboa.

Este acordo negociado entre os 27 prevê a criação de dois cargos importantes: o presidente do Conselho Europeu e o alto representante da Política Externa europeia - uma espécie de ministro dos Negócios Estrangeiros da UE.

"Se o entendimento que prevalecer for que o presidente do Conselho Europeu (deve) pertencer ao Partido Popular Europeu, a figura de Tony Blair [ex-primeiro-ministro trabalhista britânico] está fora de questão", disse Luís Amado.

O chefe da diplomacia considerou mesmo assim que o nome de Blair é "credível e importante", como o embaixador de Portugal junto das instituições europeias, Manuel Lobo Antunes, já tinha defendido segunda-feira.

Os líderes europeus não se deverão pronunciar esta semana sobre quem irá ocupar os lugares em jogo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.