Ser o mais rematador é fruto de "muito trabalho"

Ser o mais rematador é fruto de "muito trabalho"

 

Vítor Rodrigues e Emídio Simões - Lusa / AO online   Futebol   29 de Out de 2007, 17:34

O treinador do Benfica considerou esta segunda-feira que o facto de os "encarnados" serem a equipa mais rematadora na presente Liga dos Campeões de futebol é fruto do "muito trabalho" que os jogadores realizam ao longo dos jogos.
O espanhol José António Camacho disse, em entrevista à Agência Lusa, que a equipa do Benfica tem sido obrigada a trabalhar muito ao longo dos seus jogos para poder chegar à vitória.

"O Benfica tem de trabalhar até ao último momento e é isso que temos visto em todos os jogos. Há outras equipas que têm possibilidades e que, apesar de chegarem menos à baliza, têm um lance, um canto, e metem um golo", admitiu José António Camacho.

O técnico espanhol, que orienta o Benfica pela segunda vez, depois de ter passado pelos "encarnados" entre 2002 e 2004, sublinhou que não é por acaso que o Benfica tem sido a equipa mais rematadora na Liga dos Campeões.

"Temos trabalhado e por isso temos mostrado que somos a equipa que mais tem chegado à baliza na Liga dos Campeões, que é onde estão as melhores equipas do Mundo. Quando se é a equipa que mais está a rematar à baliza é sinal de que estamos a chegar mais vezes à baliza contrária", frisou.

Camacho, que conquistou a Taça de Portugal pelos "encarnados" em 2004, considerou, no entanto, que "o golo é muitas vezes caprichoso".

"O golo depende também da qualidade dos jogadores, por isso o dinheiro está no golo, mas também acho que podíamos ter marcado mais três, quatro golos na Liga dos Campeões", adiantou, lamentando algumas boas ocasiões falhadas nos três jogos já disputados na "Champions.

O técnico do Benfica admitiu que em determinadas alturas a equipa chega a jogar em esforço, acabando por algumas vezes a fazer um futebol directo, mas contrapôs com o facto de os "encarnados" serem também muito difíceis de derrotar na Liga portuguesa.

Camacho realçou ainda a atitude da equipa no domingo, quando venceu o Marítimo (2-1) nos instantes finais, apesar de ter actuado com menos um na segunda parte, por expulsão do guarda-redes Quim, ainda no primeiro tempo.

"Temos que mudar a mentalidade e começar cada jogo com a ideia de que, desde o primeiro ao último minuto, não podemos relaxar, uma vez que para o Marítimo, ou para o Vitória de Setúbal, a ‘Champions’ é jogar contra o Benfica", finalizou Camacho.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.