Santa Clara arrisca e ganha eliminatória

Santa Clara arrisca e ganha eliminatória

 

Arthur Melo   Futebol   3 de Dez de 2008, 17:52

Sem poupar nos jogadores nem na forma de jogar, encarnados esperam agora pelo União da Madeira
O Santa Clara qualificou-se para a quarta eliminatória da Taça de Portugal depois de deixar pelo caminho o Freamunde, após vitória por uma bola a zero.
Nesta autêntica maratona de jogos que os encarnados de Ponta Delgada estão a efectuar, a equipa de Vítor Pereira já começa, todavia, a dar sinais de algum cansaço, tendo alguns jogadores quebrado o seu rendimento físico no final do desafio de ontem, como foram os casos de Rincón, Nuno Santos, Oliveira e Ruy Netto.
Este último foi o autor do golo da magra vitória encarnada em que o Santa Clara arriscou dado o adversário que tinha pela frente. Vítor Pereira, para não correr os riscos da partida com o Fiães, apostou na mesma equipa que jogou na Póvoa, excepção de Vouho que cedeu o seu lugar no onze a Pacheco.
O maior povoamento a meio campo do Santa Clara permitiu à equipa ganhar domínio territorial naquela zona, local onde os continentais enfrentavam grandes dificuldades para conseguir criar jogo.
A pressão exercida permitia os encarnados dominar o jogo e o adversário mas o individualismo no último terço do terreno não permitia a construção de lances de perigo para a baliza de Avelino.
Aos poucos, o Freamunde foi ocupando melhores os espaços e acertando nas marcações, conseguindo equilibrar a partida, ao mesmo tempo que já subia no terreno, conseguindo mesmo assustar Alemão em dois lances, um dos quais em contra ataque.
Foi o toque de alarme à equipa da casa que voltou a estar por cima mas, os remates - poucos - efectuados, continuavam a não sair com a direcção desejada.
No segundo tempo, os índices físicos começaram a baixar e com o ataque pouco esclarecido, Danilo deu o seu lugar a Vouho.
Cresceu a equipa encarnada que começou a trocar com mais velocidade o esférico, a abrir ainda mais o seu jogo e seria num desses lances que chegaria ao golo: Nuno Santos na esquerda cruzou para o coração da área onde Rincón dominou de peito, deixando o esférico à mercê de Ruy Netto que desferiu um remate por entre as pernas dos defesas, indefensável para Avelino.
O tento colocava alguma justiça no marcador mas o Freamunde não se dava por vencido. Jorge Regadas reagiu, com duas unidades frescas para o ataque, mas tanto Bock como Filipe não trouxeram nada de novo à equipa. O toque desequilibrador veio com a expulsão de Marcos Silva (palavras dirigidas ao árbitro?) com o Santa Clara a desorganizar-se e a querer chegar ao segundo golo de uma forma confusa e ainda menos clarividente, sendo que nesta altura o cansaço acumulado da maratona de jogos começou a ser visível em alguns elementos.
Nuno Roque, muito contestado por Jorge Regadas, não deslumbrou mas também não comprometeu.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.