Presidente da República defende aproximação dos portugueses ao mar

Presidente da República defende aproximação dos portugueses ao mar

 

Lusa / AO online   Regional   8 de Out de 2007, 15:10

O Presidente da República, Cavaco Silva, chamou hoje a atenção para necessidade de aproximar os portugueses do mar e defendeu que se deve passar da retórica para a acção nesta matéria.
    "Temos a sensação de que o nosso património marítimo está muito insuficientemente explorado por parte dos portugueses", alertou Cavaco Silva, a bordo do navio hidrográfico "D. Carlos I", atracado no porto da Horta.

    O Chefe de Estado falava após uma jornada do Roteiro da Ciência, dedicada às ciências e tecnologias do mar, que decorreu hoje no âmbito da visita oficial que está a efectuar aos Açores.

    Segundo disse, de alguma forma, os portugueses "até vivem alheados do mar", mas este é o "tempo certo para se chamar a atenção para as potencialidades" do país nesta área.

    É necessário passar da "retórica da potencialidades e da aposta no mar para os planos de acção", disse o Presidente da República, ao lembrar que, dentro de dois dias, a Comissão Europeia vai apresentar a sua proposta de Política Marítima Europeia.

    Além disso, dentro de 15 dias vai decorrer em Lisboa uma conferência dos ministros da União Europeia ligados a este sector para apreciar estas propostas apresentadas da Comissão, disse.

    Cavaco Silva adiantou, ainda, que Portugal "está bem no domínio da investigação científica" neste sector específico, ao apontar o exemplo do departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores que hoje visitou, na cidade da Horta.

    "Fiquei, de facto, impressionado, de forma muito positiva com o trabalho que os investigadores sedeados nesta universidade estão a fazer e com as redes internacionais em que se inserem", afirmou.

    Destacou, também, o papel do Instituto Hidrográfico e do navio oceanográfico "Gago Coutinho", em que viajou hoje no canal entre as ilhas do Faial e Pico.

    Nesta viagem, Cavaco Silva ouviu uma explicação sobre o projecto de extensão da Plataforma Continental, cuja candidatura Portugal terá de apresentar às Nações Unidas até Maio de 2009.

    Nesta matéria, o Presidente da República considerou que se trata de um "trabalho complexo" e manifestou-se esperançado que as Nações Unidas atribuam a Portugal a extensão da sua Plataforma Continental.

    Cavaco Silva começou o dia com uma visita ao Departamento de Oceanografia e Pescas, onde ficou a conhecer as actividades científicas do centro de investigação marinha da Universidade dos Açores.

    A jornada do Roteiro da Ciência continuou, depois, num centro de interpretação marinha virtual, que permite a qualquer pessoa conhecer as várias zonas do Atlântico.

    Um projecto inédito, criado em há poucos meses para assinalar os 31 anos da Universidade açoriana, através de um submarino virtual, baptizado de CIMV 3000, para disponibilizar informação pedagógica sobre a actividade marinha nos mares dos Açores.

    Além deste centro, Cavaco Silva ficou a saber pelo reitor da Universidade açoriana que o DOP vai ter, em breve, novas instalações, deixando as actuais com poucas condições de trabalho para os investigadores.

    O trabalho desenvolvido nas actuais instalações "mostra que é possível milagres", disse o Chefe de Estado, para quem as actuais condições físicas em que se encontra o DOP são "mais uma razão para valorizar este trabalho de investigação".
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.