Preocupa-nos o elevado número de processos atribuídos a cada assistente social

Preocupa-nos o elevado número de processos atribuídos a cada assistente social

 

Paula Gouveia   Regional   1 de Abr de 2019, 08:46

Andreia Figueiredo, vice-presidente da Delegação Açores da Associação dos Profissionais de Serviço Social (APSS) alerta para o excessivo número de processos que cada assistente social tem a seu cargo e para o facto de serem cada vez mais frequentes os casos de stress e burnout

Que questões relacionadas com o exercício da profissão preocupam a nova direção da associação neste mandato?


Uma das questões que preocupa a APSS – Delegação Açores é o elevado número de processos atribuídos a cada Assistente Social.
Numa altura em que o trabalho ocupa um papel importante na vida das pessoas, sendo inclusive a área da vida que, na maioria das vezes, recebe o maior investimento de tempo, é importante que o Assistente Social, que tem como principais objetivos a promoção do bem-estar e da justiça social, tenha disponibilidade para desenvolver, junto dos seus utentes, uma relação de proximidade, empatia e de respeito, pois quanto maior e melhor for esta ligação, melhores resultados e qualidade de serviço será prestado ao público com quem se trabalha diariamente.


Pode ler na íntegra a entrevista a Andreia Figueiredo, na edição desta segunda-feira, 1 de abril 2019, do jornal Açoriano Oriental





Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.