Relatório da Aliança Europeia para a Segurança Infantil

Portugal é o país europeu com mais mortes acidentais em crianças


 

Lusa / AO online   Nacional   20 de Nov de 2007, 15:15

Portugal é o pior de 18 países europeus a prevenir mortes acidentais de crianças e jovens, revela um relatório da Aliança Europeia para a Segurança Infantil que é apresentado no Parlamento Europeu, em Bruxelas.
Segundo o relatório, em 2001 Portugal poderia ter salvo 77 por cento - 560 de 731 - das crianças e jovens mortos acidentalmente se tivesse aplicado políticas de prevenção equivalentes às da Suécia.

Tomando como referência o número de mortes acidentais na população entre os zero e os 19 anos da Suécia, o relatório foi elaborado com base nos mais recentes dados fornecidos pela Organização Mundial de Saúde, relativos a 2001.

As pontuações atribuídas a cada país baseiam-se nas políticas de prevenção aplicadas, numa escala que vai de zero a 60 pontos.

Nesta escala, uma pontuação varia entre inaceitável (0-12 pontos), má (13-24), razoável (25-36), boa (37-48) e muito boa (49-60).

Portugal, com um somatório de 20 pontos, tem metade da pontuação da Suécia, Países Baixos e Irlanda do Norte, que encabeçam a lista.

Um exemplo apresentado é o uso obrigatório de capacete para ciclistas, que vigora apenas na república Checa e na Suécia, estando demonstrado que reduz os danos na cabeça e no cérebro entre 63 e 88 por cento.

Outro exemplo é a proibição de transportar crianças até aos 13 anos no banco da frente do carro, que vigora em Portugal.

O rácio português há seis anos era de 22,16 mortes acidentais por 100 mil crianças e jovens.

Com base nos dados recolhidos, a Aliança Europeia da Segurança Infantil estima ainda que 21 por cento das mais de 50 mil mortes de pessoas com menos de 20 anos na União Europeia (UE) se devem a lesões acidentais.

Em 2003, numa UE ainda a 25, a principal causa de morte no grupo etário considerado foram os acidentes com veículos (49,1 por cento), seguidos do suicídio (13,3 por cento) e afogamento (7,5 por cento).

O estudo teve em conta dados da Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Escócia, Espanha, Estónia, França, Grécia, Hungria, Itália, Irlanda do Norte, Noruega, Países Baixos, Polónia, Portugal, República Checa e Suécia.

A Irlanda do Norte e a Escócia foram consideradas individualmente porque cada nação que integra o Reino Unido tem a sua política de promoção da segurança infantil.

A Aliança Europeia para a Segurança Infantil é um programa da Eurosafe, Associação Europeia para a Prevenção de Acidentes e Promoção da Segurança.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.