Obama promete à Polónia prosseguir projecto do escudo anti-mísseis


 

Lusa/AO online   Internacional   8 de Nov de 2008, 10:48

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu prosseguir o projecto de escudo anti-mísseis na Polónia, em conversa telefónica com o presidente polaco, Lech Kaczynski, informou hoje a presidência polaca.
  "Barack Obama sublinhou a importância da parceria estratégica entre a Polónia e os Estados Unidos e manifestou o desejo de continuar com a cooperação política e militar entre os dois países", refere um comunicado oficial polaco, confirmando que também é desejo de Varsóvia implementar a defesa anti-mísseis norte-americana.

    Barack Obama conversou igualmente com o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, nomeadamente sobre a participação da Polónia na força da NATO no Afeganistão (Isaf), segundo o serviço de imprensa do executivo polaco.

    Washington apresentou há dias à Rússia novas propostas para atenuar as reservas de Moscovo acerca do projecto de escudo anti-mísseis dos Estados Unidos, que alegadamente servirá para precaver contra ataques nucleares de países "irresponsáveis", como o Irão e a Coreia do Norte.

    O negociador norte-americano John Rood informou quinta-feira que a nova proposta sobre o escudo foi enviada a Moscovo "no início da semana", antes de o presidente russo, Dmitri Medvedev, ameaçar com a instalação de mísseis no enclave de Kaliningrad para pressionar Washington a renunciar ao seu escudo europeu.

    "Para neutralizar o sistema de defesa anti-mísseis (dos Estados Unidos), vamos instalar na região de Kaliningrado o sistema de mísseis Iskander", declarou quarta-feira o presidente russo.

    Washington assinou recentemente com Praga e Varsóvia acordos para a instalação, até 2013, de um potente radar na República Checa, que deve ser acoplado a dez interceptores posicionados na Polónia, contra eventuais ataques de mísseis balísticos de longo alcance.

    O projecto suscita a indignação de Moscovo, que considera esse dispositivo uma ameaça à sua segurança.

    John Rood, Secretário de Estado Adjunto responsável pelo controlo de armamentos e segurança internacional, indicou que Washington apresentou igualmente à Rússia proposta para um novo tratado que substitua o actual convénio de redução do número de armas estratégicas (START), que expira em Dezembro de 2009.

    Rood prevê encontrar-se proximamente com o seu homólogo russo, Sergei Ryabkov, provavelmente em Moscovo, para discutir estas propostas e outras questões, nomeadamente a segurança internacional face ao terrorismo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.