Açoriano Oriental
Covid-19
Marcelo sai uma vez por semana, usa máscara nas compras e passa Páscoa em Belém

O Presidente da República afirmou este sábado que, para se proteger do surto de covid-19, só sai em trabalho uma vez semana, usa máscara nas compras e vai passar a Páscoa confinado no Palácio de Belém.

Marcelo sai uma vez por semana, usa máscara nas compras e passa Páscoa em Belém

Autor: AO Online/ Lusa

Durante uma visita a uma produção de tomate no concelho de Vila Franca de Xira, Marcelo Rebelo de Sousa explicou aos jornalistas a forma como procura conciliar o exercício das suas funções com a proteção da sua saúde.

O chefe de Estado, que tem 71 anos, salientou que o "dever especial de proteção" a que estão atualmente obrigados os maiores de 70 anos não se aplica, entre outros, aos titulares de cargos políticos, "que têm de ter deslocações, não muitas, mas exemplares, para mostrar aquilo que se está a fazer e apoiar o que se está a fazer".

"Isso tem de ser gerido comedidamente pelos responsáveis políticos que, obviamente, no resto, devem fazer o que é o regime dos mais de 70 anos, que é o que que faço", considerou, exemplificando: "Vou às compras, devidamente protegido nos meios fechados".

Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que quando vai às compras, uma ou duas vezes por semana, usa máscara e também luvas.

"Uso máscara, isso é uma ideia que me veio até um bocadinho daquilo que os meus netos me contaram que foi a lição da China. A China tem outra tradição de utilização de máscaras", referiu.

"Mas eu penso que quando vou a uma loja comercial fazer compras e há um encontro com mais gente num meio fechado, devo usar luvas e máscara, para não tocar nos produtos alimentares e noutras coisas assim, embalagens e tal. É uma forma de proteção que me tem valido, aparentemente, até agora, estar negativo", completou.

Além disso, evita ser transportado de carro: "Eu agora conduzo o meu carro sempre - hoje abri uma exceção - para não vir com mais ninguém".

Quanto às saídas em trabalho, entende que não se deve "abusar" e, por isso, adotou como regra "uma por semana".

No sábado passado, visitou uma farmacêutica, em Loures, e hoje quis mostrar o seu apoio ao setor agrícola. Há duas semanas, foi ver a forma como está a ser preparado o acolhimento de pessoas em situação de sem-abrigo num pavilhão municipal em Lisboa, dessa vez sem comunicação social.

Marcelo Rebelo de Sousa realçou que estas não são saídas para visitar familiares.

"Eu não fui à terra a Celorico de Basto. Vim aqui em trabalho. Faço-o uma vez por semana, para apoiar setores da economia portuguesa. Depois, volto para estar o resto do fim de semana onde tenho estado toda a semana", reforçou.

Acrescem ainda às suas deslocações oficiais as reuniões técnicas com epidemiologistas em que têm participado titulares de órgãos de soberania, todas as terças-feiras, no Infarmed, em Lisboa.

"Mas no resto do tempo eu lá estarei os dias da Páscoa metido em Belém. Como ainda por cima a minha casa é noutro concelho, para não ter de atravessar vários concelhos para chegar a Lisboa, fico de quinta-feira até segunda-feira seguinte metido em Belém, e aí serei escrupuloso, não farei mesmo nenhuma visita de trabalho", prometeu.

Face à pandemia de covid-19, o Presidente da República decretou o estado de emergência, ouvido o Governo e com autorização do parlamento, que vigora em Portugal desde 19 de março e foi entretanto renovado por novo período de 15 dias, até 17 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 59 mil.

Em Portugal, registaram-se 266 mortes e 10.524 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.