Mais de duas mil pessoas protestam contra mina de urânio próxima de Portugal


 

Lusa/Ao online   Internacional   20 de Out de 2018, 18:01

Mais de duas mil pessoas, segundo a organização, manifestaram-se este sábado em Vitigudino, Salamanca, contra o projeto da mina de urânio de Retortillo, junto à fronteira portuguesa.

A manifestação começou por volta das 13:00 locais (12:00 em Lisboa) com os manifestantes a empunharem cartazes contra a mina com frases como “não à mina, sim à vida”, “Salamanca pecuária, nunca mineira” ou “não à mina que mata e contamina”.

O protesto foi organizado por empresários de pecuária da região, e contou com o apoio da plataforma Stop Urânio e de mais 42 câmaras municipais do oeste da província de Salamanca.

Entre os manifestantes estava o dirigente da Esquerda Unida do Reino de Castilha e Leão, que acredita que “o projeto Berkeley tem os dias contados” e que haverá uma “derrota da multinacional Berkeley, graças à mobilização de milhares de donos de explorações pecuárias”.

Também os ambientalistas espanhóis e portugueses contestam a construção, pela mineira Berkeley, de uma mina a céu aberto em Retortillo, a 40 quilómetros de Portugal, alegando graves impactos para o ambiente e para a saúde.

Os ministérios portugueses do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros anunciaram em 24 de maio último que a Espanha tinha prestado “informação detalhada” sobre os projetos de exploração mineira de urânio de Salamanca e de Retortillo-Santidad, em zonas fronteiriças, garantindo que Portugal será envolvido no processo.

A Assembleia da República tinha aprovado em março um conjunto de sete resoluções, com origem em todas as bancadas, com recomendações ao Governo português para adotar medidas junto do executivo espanhol que suspendam a exploração de urânio em Salamanca.

Por seu lado, a Agência Portuguesa do Ambiente considerou que o projeto de exploração mineira de urânio em Retortillo é "suscetível de ter efeitos ambientais significativos em Portugal", pela proximidade com a fronteira e tendo em "atenção a direção dos ventos" de Este e Nordeste.

A Berkeley aponta para um investimento de 75 milhões de euros, podendo chegar a 250 milhões a longo prazo, o que criaria 450 postos de trabalhos diretos e cerca de dois mil indiretos, estando o início da produção de urânio previsto para 2019.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.