Música

Madonna actua domingo em Lisboa para 75 mil pessoas

Madonna actua domingo em Lisboa para 75 mil pessoas

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   11 de Set de 2008, 11:13

A cantora norte-americana Madonna actua no domingo no Parque da Bela Vista, em Lisboa, pela primeira vez num recinto ao ar livre, onde terá pela frente uma enchente de 75 mil pessoas.
Este regresso a Portugal acontece no âmbito da digressão mundial "Sticky and Sweet", iniciada em Agosto no Reino Unido e que conta com mais de cinquenta espectáculos.

    A nova digressão, tal como as anteriores, volta a dar que falar, com Madonna a manter uma postura de irreverência e polémica.

    Em Cardiff, no Reino Unido, Madonna interpretou "Get Stupid" enquanto eram projectadas em fundo imagens de Hitler, de Robert Mugabe e de John McCain.

    Em Roma, dedicou o "clássico" "Like a virgin" ao Papa Bento XVI.

    Com 50 anos feitos em Agosto e o título de mais lucrativa artista da actualidade, Madonna chegará a Lisboa com uma equipa de 250 pessoas e mais de 600 horas de ensaios.

    O palco terá apenas 45 centímetros de altura, porque a cantora quer estar ao mesmo nível dos espectadores, e será o suporte para um concerto dividido em quatro partes, cada uma com coreografia, cenário e guarda-roupa específico.

    Madonna terá a seu lado 16 bailarinos e 12 músicos para interpretar 25 anos de carreira, com uma breve passagem pelo passado com "Into the groove", "Like a prayer" ou "La isla Bonita", tema revisitado na companhia de músicos ciganos romenos.

    Só as jóias que vai usar estão avaliadas em 1,2 milhões de euros.

    Nesta digressão, Madonna não dispensa ainda um massagista, um quiroprático, 12 trampolins para treinar com os bailarinos e 69 guitarras para os músicos.

    A primeira parte do concerto em Lisboa é assegurado pela cantora sueca Robyn.

    O recinto abrirá ao público às 17:00, Robyn começa a actuar às 20:00 e Madonna entrará em palco às 21:15.

    "Hard Candy", o 11.º álbum da sua carreira e que justifica a actual digressão, já ultrapassou os três milhões de exemplares vendidos e representa o fim de um contrato de 25 anos com a editora Warner.

    O trabalho, no qual Madonna reinventa a dance-pop com sonoridades do hip hop, reúne várias colaborações com produtores e músicos norte-americanos, como Timbaland, Justin Timberlake, Kanye West e Pharrell Williams.

    A última digressão de Madonna, "Confessions", de 2006, rendeu 139 milhões de euros só de receitas de bilheteira.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.