Investigadores desenvolvem tecido cartilaginoso a partir de pele humana


 

Lusa/AO online   Ciência   17 de Out de 2013, 10:35

Um grupo de investigadores japoneses conseguiu desenvolver tecido cartilaginoso a partir de pele humana e por implantação de genes, um método mais rápido comparativamente à utilização de células-mães artificiais, revelou a agência Kyodo.

A equipa da Universidade de Kioto utilizou o denominado método de reprogramação celular direto, que não utiliza células pluripotentes induzidas (iPS) e através do qual são implantados genes em células da pele para produzir diretamente um tipo de célula diferente.

O processo de geração de novos tecidos com células iPS ou outro tipo de células-mães, é mais demorado que a nova fórmula.

Por outro lado, a reprogramação direta elimina a possibilidade de serem geradas células não divididas que desenvolvam tumores.

A equipa, liderada pelo professor Noriyuki Tsumaki fez os primeiros ensaios a partir de pele de um recém-nascido e espera que o processo possa ajudar a acelerar os tratamentos regenerativos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.