Governo russo prevê mais de meio milhão de desempregados

Governo  russo prevê  mais de  meio milhão de desempregados

 

Lusa/AO Online   Economia   29 de Dez de 2008, 15:00

O crescimento económico russo vai fixar-se este ano nos seis por cento, apesar da "dinâmica negativa" registada no quarto trimestre devido à crise económica mundial, disse hoje o primeiro ministro, Vladimir Putin.
  "Apesar de uma dinâmica negativa no quarto trimestre, a economia russa e o ambiente social vão acabar o ano no lado positivo", afirmou Putin, numa reunião do conselho de ministros do país, segundo as agências de notícias russas.

    "O crescimento do produto interno bruto deverá situar-se nos seis por cento", disse Putin, acrescentando que a inflação deverá fixar-se nos 13,5 por cento.

    Os economistas esperam uma contracção da economia no quarto trimestre do ano, mas o Governo de Moscovo negou que o país esteja em recessão e Putin não adiantou quaisquer números sobre o quarto trimestre deste ano.

    Por outro lado, a ministra da Saúde e Desenvolvimento Social, Tatyana Golikova, estima que existirão meio milhão de desempregados no próximo ano, reflectindo o abrandamento económico.

    "Prevemos entre 2,1 e 2,2 milhões de desempregados," disse, citada pela agência de notícias RIA Novosti.

    Actualmente, cerca de 1,5 milhões de pessoas estão registadas como desempregadas nos centros de desemprego russos.

    No início deste mês, o ministro do Desenvolvimento Económico disse que o número de desempregados poderia aumentar um milhão em 2009, chegando aos 5,6 milhões, o que representa um aumento da taxa de desemprego para 7,6 por cento, contra os 6,3 por cento em 2008.

    A Rússia tinha em Agosto um total de 4,5 milhões de desempregados, de acordo com inquéritos do Serviço Estatal de Estatísticas, que incluem aqueles que não estão registados nos centros de desemprego.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.