EUA querem apreender edifício em Manhattan propriedade do Irão


 

Lusa/AO online   Internacional   18 de Set de 2013, 10:25

Os Estados Unidos querem apreender um 'arranha-céus' de Manhattan com os Procuradores a alegarem que o edifício é secretamente propriedade do Irão, referiu o Departamento de Justiça esta terça-feira, apesar da decisão poder ser alvo de recurso.

A apreensão e posterior venda do edifício de 36 andares, no coração de Nova Iorque, na 5.ª Avenida, será o maior ataque ao poder relacionado com o terrorismo, acrescenta a nota do Departamento de Estado.

Um juiz federal decidiu favoravelmente à pretensão do Governo, sustentando que os proprietários do edifício violaram as sanções contra o Irão e as leis de lavagem de dinheiro.

Preet Bharara, Procurador Federal de Manhattan, disse que a decisão suporta a tese do Departamento de Justiça de que o proprietário do edifício “era (e é) uma frente do Banco Melli e, portanto, uma frente do governo do Irão”.

O mesmo responsável adiantou que os fundos da venda do edifício serão usados como meio de compensação das vítimas do terrorismo apoiado pelo Irão.

Os Procuradores alegam que os proprietários do edifício, a Fundação Alivi e a Assa Corporation, transferem o dinheiro das rendas e outros fundos para o Banco Melli detido pelo Estado iraniano.

A Fundação Alivi também controla uma organização de caridade no Irão e gere o edifício para o governo iraniano, acrescenta a nota.

Construído na década de 1970 por uma organização sem fins lucrativos controlada pelo Xá do Irão e financiado com um empréstimo concedido pelo Banco Melli, o edifício foi expropriado pelo novo governo iraniano após a revolução de 1979, acrescentam ainda as alegações norte-americanas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.