Para criar "alternativas"

CGTP admite "convergência de esforços"

CGTP admite "convergência de esforços"

 

Lusa/AOonline   Economia   6 de Out de 2008, 12:11

O secretário-geral da CGTP evitou pronunciar-se sobre a proposta do PCP de uma “convergência de forças progressistas”, mas admitiu que o “movimento sindical” tem procurado uma “convergência de esforços” para “haver alternativas”.
“Não nos compete a nós ser intérpretes do processo político. No plano social, o movimento sindical tem procurado pôr em relevo que há necessidade de convergência de esforços e que há campos concretos em que se trabalha”, afirmou Carvalho da Silva, após um encontro com a direcção do PCP, na sede nacional dos comunistas, em Lisboa.

    “Procuramos dar o nosso sinal por aí”, concluiu.

    Na quinta-feira, num encontro com militantes e quadros comunistas de Lisboa, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, sugeriu “uma alternativa de esquerda”, sem excluir “nenhuma força progressiva de esquerda”, incluindo o Bloco de Esquerda, para fazer “uma ruptura” com a política do PS.

    “Perante a necessidade de uma convergência das forças sociais e políticas, não excluindo nenhuma força progressiva de esquerda, temos a proposta de que sem ruptura com esta política não há arrumação de forças que garanta uma alternativa de esquerda”, disse.

    Esta segunda-feira, o secretário-geral do PCP afirmou que “a CGTP, no plano social, tem procurado colocar em evidência propostas, mudanças de rumo de política que ajudam a que se perceba a necessidade de convergência de esforços entre múltiplos sectores da sociedade portuguesa para mudar o rumo, para haver alternativas”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.