Açoriano Oriental
Câmara de Ponta Delgada formalizada na Transatlantic Climate Alliance

Município de Ponta Delgada passa a integrar a Transatlantic Climate Alliance, entidade que visa salvar o planeta através da ação climática

Câmara de Ponta Delgada formalizada na Transatlantic Climate Alliance

Autor: Rafael Dutra

A Câmara Municipal de Ponta Delgada assinou ontem um protocolo com a Transatlantic Climate Alliance, que formaliza a autarquia como membro-fundador desta aliança internacional, que só em Portugal já conta com a adesão de Cascais, Angra do Heroísmo e Praia da Vitória.

Presidida pelo senador do Estado de Massachusetts nos Estados Unidos da América, Marc Pacheco, a Transatlantic Climate Alliance, que teve o apoio do  antigo vice-presidente dos Estados Unidos da América, Al Gore, é um movimento transnacional que pretende salvar o planeta através da ação climática.

Para tal, e fruto desta aliança em que estão integradas cidades, estados ou províncias, o objetivo é fazer uma partilha e troca de ideias, práticas e de conhecimento científico  e tecnológico para que haja um combate mais eficiente e eficaz às alterações climáticas.

Em declarações ao Açoriano Oriental, o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Pedro Nascimento Cabral, afirmou que é “uma honra” a autarquia integrar esta aliança “que tem uma relevância importante no mundo inteiro”.

“Daqui resulta um conjunto de metas que queremos atingir para ter aqui uma luta mais efetiva pelo combate às alterações climatéricas, desde logo, pelo aquilo que Ponta Delgada já vem a implementar, sobretudo numa mobilidade suave, amiga do ambiente”, explicou o autarca.

Pedro Nascimento Cabral recorda que o município tem feito um trabalho de “tirar o trânsito do centro histórico de Ponta Delgada” para que seja possível ter “uma cidade descarbonizada, livre de poluição”.

“O que resulta da aplicação destas medidas é aquilo que vem ao corpo central das diretrizes que esta associação defende, na prática, no mundo inteiro, que é a adoção de políticas públicas que protejam o meio ambiente”, salientou o presidente do município de Ponta Delgada, adiantando que toda esta atuação política “respeita e respeitará sempre aquelas que são as verdadeiras políticas e diretrizes da associação que a partir de hoje (ontem) Ponta Delgada faz formalmente parte”.

O autarca realçou também a “importante parceria” com esta fundação que “passa a ser aqui um importante elemento de transmissão de conhecimento científico” que pode ser utilizado para Ponta Delgada ter “as  melhores práticas políticas em efetividade”.

“Este é que é o nosso desafio: colocar na realidade e efetivar um conjunto de práticas políticas amigas do ambiente. E isto é um desafio e um desígnio que esta Câmara Municipal de Ponta Delgada assumiu e vai continuar a assumir até ao fim deste mandato”, assegurou Pedro Nascimento Cabral.

Por sua vez, Marc Pacheco apontou que este protocolo é o início de uma, de muitas colaborações, que vão “acelerar” soluções para enfrentar a crise climática.

“Creio que, apenas juntos, poderemos acelerar as soluções para esta crise climática que todos estamos a enfrentar, ao colocar muitas pessoas a trabalhar em empregos que possam também ajudar a resolver este problema, enquanto salvamos vidas”, destacou.

O Conselho Climático Transatlântico irá reunir aliados e líderes climáticos, com o objetivo de implementar caminhos de descarbonização, promover a transição para um futuro sustentável e sem combustíveis fósseis, e prevenir os piores efeitos das alterações climatéricas.

PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados