António Costa quer atrair empresas para gerirem profissionalmente a floresta

António Costa quer atrair empresas para gerirem profissionalmente a floresta

 

Lusa/Ao online   Nacional   17 de Nov de 2018, 02:13

O primeiro-ministro defendeu esta sexta feira que “é preciso atrair para Portugal” empresas como há noutros países para a gestão profissional da floresta de forma a “valorizar este recurso natural” e “evitar tragédias” como as do ano passado.

“Se assentarmos exclusivamente numa gestão não profissional, não economicamente eficiente, sem músculo financeiro, sem visão estratégica e empresarial nós não temos, efetivamente, futuro para a nossa floresta e o país não tem direito a abdicar de um recurso fundamental como é a floresta, porque um país que tem poucos recursos naturais como nós temos, o mínimo que temos de fazer é valorizar aqueles que dispomos”, afirmou António Costa.

Neste sentido, acrescentou, é preciso mobilizar a sociedade portuguesa, os autarcas, a administração central e o tecido económico, porque é necessário “atrair para Portugal empresas como as que existem no Chile, na Finlândia e em tantos, tantos outros países que fazem uma gestão profissional da floresta”.

“Ou como proprietários ou como arrendatários, mas que asseguram aquilo que a propriedade fragmentada que temos hoje não pode assegurar. É um trabalho que é essencial prosseguir de forma a que evitemos as tragédias que vivemos recentemente”, lembrou.

António Costa falava durante uma visita à Sonae Arauco Mangualde, uma das empresas afetadas pelos incêndios de outubro de 2017 e cuja matéria prima é a madeira.

“Temos um problema nacional com a nossa floresta, porque é desordenada e é uma floresta que, em vez de ser uma riqueza ao serviço do país, transforma-se tantas e tantas vezes uma ameaça aos bens, às empresas, às habitações e à própria vida humana. A reforma florestal é absolutamente decisiva”, afirmou.

Uma reforma que, acrescentou, deve acontecer “sem prejuízo da propriedade de cada um” e ser gerida por “uma entidade que tenha capacidade e visão de gestão económica e escala para lhe dar essa gestão”.

“Esse investimento só é possível se não estivermos a falar de milhares de micro propriedades, mas podermos estar a falar de milhares de micro propriedades inseridas num grande espaço gerido em comum”, sublinhou.

Uma floresta onde, disse, “é possível ter o eucalipto de crescimento rápido que é essencial à indústria do papel, onde é preciso ter pinho de qualidade e certificado que é essencial à indústria da madeira e de onde resultam os resíduos que podem ser devidamente valorizados na produção do MDF ou da biomassa”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.