Wikileaks: Estados Unidos pedem à Europa que prenda fundador do site por alegados crimes sexuais


 

Lusa / AO online   Internacional   1 de Dez de 2010, 18:33

As autoridades policiais norte-americanas pediram hoje às suas congéneres europeias para prender o fundador do site Wikileaks por suspeita de violação, enquanto a sua organização continua a publicar informações supostamente secretas da área diplomática.

O australiano Julian Assange, 39 anos, não apareceu em público depois de uma conferência de imprensa que deu a 05 de novembro, em Genebra.

Assange tem dado apenas entrevistas on-line e foi divulgado um comunicado do seu advogado, referindo que o ‘hacker’ estaria a ser acusado na Suécia por crimes sexuais.

A responsável do Ministério Público da Suécia, Marianne Ny, afirmou que foi emitido um mandado de detenção europeu devido a estas suspeitas.

Mark Stephens, o advogado de Assange, informou ainda não ter sido notificado formalmente das acusações feitas ao seu cliente, o que considerou ser uma exigência legal no âmbito da legislação europeia.

O advogado, com escritório em Londres, não poupou Mariane Ny, num e-mail dirigido à agência noticiosa AP, referindo “negligência ocasional” das suas obrigações e considerou que o caso é uma “perseguição e não uma acusação”.

Sobre Assange pendem acusações de violação, assédio sexual e coerção ilegal.

O Wikileaks tem divulgado relatórios confidenciais diplomáticos, alguns dos quais fazem referência a Portugal.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.