Sociedade

Viola da terra está a "renascer" depois de quase ter caído em desuso

Viola da terra está a "renascer" depois de quase ter caído em desuso

 

LUSA/AOnline   Regional   3 de Set de 2011, 12:01

A viola da terra tem caído em desuso devido à 'concorrência' do violão ou da guitarra clássica, mas o crescente interesse dos jovens faz os tocadores acreditar que pode "renascer" o uso deste instrumento musical típico dos Açores.

“A viola tinha grande importância social, fazia parte do dia a dia e até do dote. Servia de ornamento em cima das camas e, mesmo quem não tocava, tinha uma viola da terra, mas isto foi-se perdendo ao longo dos anos”, afirmou Rafael Carvalho, presidente da Associação de Juventude Viola da Terra, em declarações à Lusa.

Numa tentativa de "valorizar e divulgar as diferentes técnicas e execuções" da viola da terra, que tem "características específicas em cada ilha", a associação organizou o I Encontro de Violas Açorianas, que termina hoje.

Rafael Carvalho, professor no Conservatório de Ponta Delgada, recordou que, no passado, o tocador de viola da terra tinha um papel de destaque nas freguesias, surgindo logo depois do regedor e do padre.

"A pessoa que tocava viola era uma figura muito importante porque impulsionava o convívio", salientou, admitindo, no entanto, que a viola da terra "caiu um pouco em desuso" por força da emigração, que fez com que fossem "cada vez menos os grandes mestres solistas".

A arte de tocar ficou circunscrita à família de tocadores, mas Rafael Carvalho assegurou que a viola da terra "não desapareceu" e está a passar por "um processo de reativação, com cada vez mais interessados".

"Atualmente, este instrumento musical assume maior projeção pelo seu papel solista em S. Miguel e Santa Maria, mas tem importância cultural em qualquer uma das ilhas", frisou.

Nesse sentido, salientou que a viola da terra tem aparecido em diferentes contextos, desde orquestras a grupos de cantares, que têm feito "outras abordagens" ao reportório tradicional, o que "cria interesse".

"Os mais novos mostram interesse pela aprendizagem no conservatório", revelou, destacando também a certificação de formadores que possam assegurar o ensino e uso desta viola.

Por outro lado, a Associação de Juventude Viola da Terra vai reativar a escola de violas, dispondo de três formadores certificados pela Direção Regional da Cultura.

A viola da terra, que produz um "som característico proveniente do encordoamento de 12 cordas", também é conhecida como viola de arame ou viola de dois corações, sendo semelhante ao violão, mas de dimensões mais pequenas.

Uma das suas características é a existência de dois corações, com as pontas em sentidos opostos ligados por um coração mais pequeno, em vez do buraco existente no tampo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.