Vacina permite avanço contra infeção frequente em crianças

Vacina permite avanço contra infeção frequente em crianças

 

Lusa/AO online   Ciência   1 de Nov de 2013, 08:58

Uma vacina experimental contra o vírus respiratório sincicial, uma das principais causas de infeção e hospitalização de crianças, atingiu pela primeira vez um nível elevado de proteção nos testes em animais, revelou uma investigação nos Estados Unidos

Os ensaios clínicos já estão previstos, precisaram os investigadores do Centro de Investigação de Vacinas do Instituto Americano de Alergias e Doenças Infeciosas, autores deste avanço publicado na revista Science.

Nos Estados Unidos, a infeção por este vírus é a causa mais frequente de bronquiolite, uma inflamação dos pequenos brônquios, assim como de pneumonia nas crianças com mais de um ano.

O vírus é igualmente responsável pela maior parte das hospitalizações de crianças com mais de cinco anos.

No mundo, esta patologia está na origem de cerca de sete por cento das mortes de crianças entre um mês e um ano, logo depois do paludismo, indicaram os investigadores.

Os adultos com mais de 65 anos com o sistema imunitário enfraquecido estão também vulneráveis ao vírus, que pode provocar infeções graves.

“Um grande número de doenças infeciosas frequentes nas crianças é evitável graças à vacinação, à exceção das infeções provocadas pelo vírus sincicial, contra o qual nenhuma vacina havia sido desenvolvida até agora, apesar de dezenas de esforços”, revelou o diretor do Instituto, Anthony Fauci.

“Os trabalhos sobre esta vacina experimental marcam um passo importante. Permitem uma forte proteção nos animais de laboratório”, acrescentou em comunicado, sublinhando igualmente que a técnica utilizada pode ser aplicada para desenvolver vacinas contra outras doenças virais, incluindo o VIH, o vírus responsável pela Sida.

Esta técnica, dita de “biologia estrutural”, que examina o pato-gene ao nível atómico, permite descobrir uma proteína do vírus anexada a um anticorpo humano a partir do qual é possível fabricar a vacina testada em ratos e macacos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.