Um terço dos primatas ameaçado de extinção

Um terço dos primatas ameaçado de extinção

 

Lusa / AO online   Internacional   26 de Out de 2007, 12:18

Um terço dos macacos existentes no planeta está ameaçado de extinção devido à destruição de florestas tropicais, ao comércio de animais selvagens e à caça, situação que está a preocupar a União Internacional para Conservação da Natureza (UICN).
Pela primeira vez, desde há um século, verificam-se casos de desaparecimento de espécies de macacos, segundo um relatório feito por 60 especialistas de 21 países, divulgado pela UICN.

Das 394 espécies de primatas, 114, isto é, 29 por cento da população mundial de macacos, estão ameaçadas de extinção e aparecem na lista vermelha de UICN.

As causas do desaparecimento dos macacos são, segundo o relatório, as mudanças climáticas, a caça e a destruição dos seus habitats, com o aumento do urbanismo.

"É na Ásia que a situação é mais grave, onde a destruição das florestas tropicais, a caça e o comércio de macacos colocam as espécies perante um risco terrível", referiu Russel A. Mittermeier, presidente do grupo de especialistas de primatas da UICN.

Das espécies ameaçadas, onze encontram-se na Ásia, sete em África, quatro no Madagáscar e três na América do Sul.

Os orangotangos da ilha de Samatra (Indonésia) e os gorilas dos Camarões e da Nigéria sobressaem na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza.

"Ao protegermos as florestas tropicais que existem no mundo, salvamos os primatas e as outras espécies em risco, e evitamos que os níveis de dióxido de carbono aumentem, entrem na atmosfera e aqueçam o clima", recordou Russel Mittermeier.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.