"Um país que se preza não deixa cidadãos em dificuldades"


 

Lusa/AO online   Nacional   10 de Out de 2012, 09:59

O antigo Presidente da República Ramalho Eanes afirmou na terça-feira que "um país que se preza não deixa os seus cidadãos passarem por dificuldades", sublinhando que cabe ao Estado garantir a união do povo.

Em entrevista à Rádio Renascença (RR), Ramalho Eanes considerou que o facto de o Estado permitir que uma fatia considerável da população não tenha condições mínimas de dignidade "é muito grave", uma vez que "atenta contra a unidade do país".

"Se nós não damos a todos a dignidade suficiente, convencemo-nos de que viver em conjunto não traz nada de bom. Se não lhes dermos uma janela de esperança em relação ao futuro, convencem-se de que também não são os filhos que vão viver melhor", alertou o general.

Para o antigo Presidente da República, uma tal situação põe em risco a unidade do país e, "quando não há unidade num país, os homens passam muito rapidamente da resignação à indignação", que "é terrível na medida em que é, de alguma maneira, a mãe de todos os disparates".

"Nós temos de evitar que isso aconteça e, se não podemos dar a todos um salário, temos de dar a todos condições mínimas suficientes", reiterou.

Eanes disse ainda, na mesma entrevista à RR, que o problema económico atual pressupõe que "o Estado gaste muito menos do que aquilo que gasta", salvaguardando, no entanto, que "o Estado não pode gastar muito menos do que aquilo que gasta em áreas consideradas fundamentais", como a saúde e a educação, entre outras.

Ramalho Eanes sugeriu a criação de um "grupo de sábios", que pudesse incluir, de acordo com a RR, nomes como o de Silva Lopes e Bagão Félix.

A função deste órgão seria a apresentação aos partidos de "um projeto de pacto de crescimento e de Estado", em torno do qual seja possível reunir o mínimo de consenso para avançar com as reformas de que o país precisa.

Questionado sobre se a Igreja está a cumprir o seu papel na sociedade, Eanes afirmou que esta "podia ter uma voz mais ativa", embora reconheça que está a prestar apoios sociais.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.