Um ano quase perfeito coloca Portugal no trilho do Euro2012

Um ano quase perfeito coloca Portugal no trilho do Euro2012

 

Lusa/AO Online   Futebol   19 de Set de 2011, 07:56

 Um ano depois de ter sido nomeado selecionador de futebol de Portugal, Paulo Bento retirou a “equipa das quinas” de uma profunda depressão e recolocou-a no rumo da qualificação para o Euro2012.

Contudo, o primeiro ano do antigo médio internacional, que se cumpre na quinta-feira, não foi fácil, uma vez que inicialmente surgiu como segunda escolha para o cargo e no final registou-se a “deserção” de Ricardo Carvalho da seleção.

Em 22 de setembro de 2010, Paulo Bento pegou numa seleção marcada por um Mundial2010 pouco conseguido – exceção à goleada sobre a Coreia do Norte (7-0) – e pelo polémico afastamento de Carlos Queiroz.

Com apenas um ponto em dois jogos da qualificação para o Euro2012, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Gilberto Madail, precisava de uma solução em apenas um mês, tendo tentado que José Mourinho treinasse Portugal nos encontros com a Dinamarca e a Islândia.

O Real Madrid acabou por não libertar Mourinho e Madail apresentou Paulo Bento pouco mais de duas semanas antes do jogo com a Dinamarca.

Contudo, Mourinho não deixou de apoiar Paulo Bento, garantindo que o antigo técnico do Sporting “é o melhor” treinador para a seleção portuguesa.

Logo desde o primeiro jogo, Paulo Bento definiu um “onze” tipo, com três “esquecidos” de Carlos Queiroz - João Pereira, João Moutinho e Carlos Martins -, recuperando igualmente Hélder Postiga, o segundo melhor marcador desta nova “era”.

Garantido como incontestável capitão por Paulo Bento, Cristiano Ronaldo, que com Carlos Queiroz tinha marcado apenas dois golos, reencontrou-se com as balizas ao serviço da seleção e, em nove jogos, já soma seis tentos.

Os dois primeiros encontros recolocaram Portugal no caminho do Euro2012, com dois triunfos sobre a Dinamarca (3-1) e a Islândia (3-1).

Desde a entrada de Paulo Bento, Portugal fez um percurso perfeito em jogos oficiais, com mais dois triunfos, sobre a Noruega (1-0) e o Chipre (4-0), passando a depender de si próprio para garantir o apuramento para o Euro2012 nos últimos dois encontros.

Um dos grandes momentos da “era” de Paulo Bento foi a goleada por 4-0 sobre a campeã europeia e mundial Espanha – que tinha afastado a “equipa das quinas” do Mundial2010 -, num jogo particular no Estádio da Luz.

Em nove encontros, Paulo Bento apenas perdeu uma vez, num particular com a Argentina, decidido por Lionel Messi, num encontro em Genebra que Portugal equilibrou até aos 60 minutos, quando Ronaldo, Nani e Hugo Almeida foram substituídos.

No total, Paulo Bento conseguiu sete triunfos, uma derrota e um empate, com o Chile (1-1), naquela que terá sido provavelmente a pior exibição portuguesa no último ano.

O último encontro ficou marcado pela saída de Ricardo Carvalho do estágio da seleção, no dia em que Portugal partia para o Chipre, alegando ter sido desrespeitado por Paulo Bento.

Na conferência de imprensa de antevisão do encontro, Paulo Bento disse que o central do Real Madrid tinha desertado.

“Após o treino, quando estávamos na sala de refeições, houve alguém que desertou e esse alguém foi o Ricardo Carvalho. Não houve conversa nenhuma, na quarta-feira treinou e treinou bem e depois desertou, foi à sua vida, deixou-nos com 22 jogadores”, afirmou Paulo Bento.

Na sequência desta acusação, Ricardo Carvalho chamou “mercenário” a Paulo Bento, o qual garantiu que, enquanto fosse selecionador, o defesa não voltaria a ser chamado.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.