Ambiente

Terceira vai ter que encontrar alternativa ao aterro intermunicipal

Terceira vai ter que encontrar alternativa ao aterro intermunicipal

 

Lusa/AO online   Regional   7 de Out de 2010, 17:48

A ilha Terceira vai adoptar a médio prazo uma nova solução para tratamento de resíduos sólidos urbanos porque o aterro sanitário "não pode expandir-se”, afirmou Cota Rodrigues, presidente dos Serviços Municipalizados de Angra do Heroísmo.
“No futuro terá de ser diferente e, por isso, já estão em estudo diversas alternativas, que passam pela valorização energética dos resíduos ou pela compostagem”, salientou esta quinta-feira Cota Rodrigues em declarações à Lusa, acrescentando que “a deposição em aterro sanitário, como actualmente acontece, é insustentável do ponto de vista económico e ambiental”.

O que está dado como certo, segundo o vereador municipal, “é a impossibilidade de o actual espaço, com 39 hectares, se expandir, porque existem nas imediações massas de água subterrânea que podem correr riscos de contaminação”.

“A produção de resíduos sólidos urbanos na ilha Terceira ronda as 70 toneladas diárias, o que representa, em média, cerca de 1,3 quilos/dia por habitante e, em termos anuais, 26 mil toneladas, ou seja, 460 quilos por habitante, o que é um valor superior à média da União Europeia”, revelou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.