EUA/Eleições

Sarah Palin é o nome mais falado para líder do Partido Republicano


 

Lusa/AOonline   Internacional   6 de Nov de 2008, 10:44

A vitória esmagadora de Barack Obama nas presidenciais dos Estados Unidos, que decorreram terça-feira, gerou um vazio de poder no Partido Republicano, cujo desafio é agora "encontrar um novo líder" - Sarah Palin é o nome mais votado.
O Presidente cessante dos Estados Unidos, George W. Bush e o vice-Presidente Dick Cheney, membros do Partido Republicano, vão retirar-se da política.

    John MacCain, com 72 anos, teve nas eleições de terça-feira a última oportunidade de poder vir a ser Presidente.

    Os actuais líderes republicanos no Congresso encontram-se "políticamente desacreditados", tendo em conta a clara vitória dos democratas.

    As circuntâncias indicam que, sem um líder republicano à vista, podem estar criadas as condições para que surja uma nova vaga de líderes republicanos no partido.

    Em 1992, o então congressista Newt Gingrich emergiu como "o rosto renovador republicano", na sequência da clara vitória nas eleições presidenciais do democrata Bill Clinton.

    O presidente do Comite Nacional Republicano, Michael Duncan, afirmou hoje que Sarah Palin "é a governadora mais popular na América".

    Outros nomes na calha são os de Tim Pawlenty e Charlie Crist, governadores de Minnesota e Florida, respectivamente.

    Os analistas indicam ainda que Mitt Romney, o principal rival de MacCain nas eleições primárias, "pode recandidatar-se nas próximas eleições".

    Todavia, o nome "mais concensual", no seio dos republicanos parece ser o de Sarah Palin, candidata republicana à vice-presidência dos Estados Unidos derrotada.

    Interrogada á cerca do assunto, Palin limitou-se, para já, a dizer que "nunca tomou nenhuma medida no sentido de ser líder do partido".

    A governadora do Alasca recusou pronunciar-se acerca de uma eventual candidatura nas próximas eleições presidenciais em 2012.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.