Relvas defende importância de "não fechar a porta" a uma revisão da Constituição


 

Lusa / AO online   Nacional   10 de Set de 2011, 13:08

O ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares disse hoje, em Torres Novas, que é importante Portugal “não fechar a porta” a uma revisão constitucional que inclua um limite ao endividamento do país.

“Essas decisões não são só de um país. Temos que acompanhar as circunstâncias dos 27 países em que estamos integrados”, disse Miguel Relvas, que hoje inaugurou o centro escolar de Pedrógão, no concelho de Torres Novas.

Para o ministro, esta é uma matéria que “vai ter que ser debatida”, por ser um assunto que está a ser colocado a nível europeu, sublinhando que um entendimento tem sempre que ser construído com o Partido Socialista, já que uma revisão da Constituição exige uma maioria de dois terços.

Questionado sobre as reticências que têm sido levantadas por algumas vozes no seio do PS, Miguel Relvas frisou a importância de Portugal não “fechar essa porta”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.