Rangel, Arnaut, Relvas e Matos Correia querem Marcelo a liderar o PSD


 

Lusa/AO Online   Nacional   30 de Out de 2009, 07:41

Os sociais-democratas Paulo Rangel, José Luís Arnaut, Alexandre Relvas e José de Matos Correia defenderam na quinta-feira que Marcelo Rebelo de Sousa deve ser o próximo presidente do PSD.

Paulo Rangel, na RTP1, José Luís Arnaut, na SIC-Notícias, e Alexandre Relvas, na Rádio Renascença, apareceram na mesma noite a defender o regresso à liderança do PSD de Marcelo Rebelo de Sousa.

Contactado pela Agência Lusa, o deputado social-democrata José de Matos Correia disse também apoiar uma candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que o antigo presidente do PSD "é a pessoa de que o partido e o país precisam".

Em entrevista à RTP1, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel, que tinha invocado o direito a ponderar a possibilidade de ser candidato à liderança do PSD, colocou-se fora dessa corrida e apontou o nome de Marcelo Rebelo de Sousa.

"Um partido que tem entre os seus militantes um militante com as qualidades do professor Marcelo Rebelo de Sousa, do meu ponto de vista, não deve desperdiçar a oportunidade de o fazer líder do partido e de o tornar primeiro-ministro de Portugal", disse o ex-líder parlamentar do PSD.

"O nosso partido é que tem o dever de o fazer vir a ser líder do partido", acrescentou Paulo Rangel.

Minutos depois, cerca das 21:30 horas, o dirigente e deputado social-democrata José Luís Arnaut disse, em directo na SIC-Notícias, que "um partido que tem um valor como Marcelo Rebelo de Sousa não se pode dar ao luxo de o desperdiçar".

"Quem é que é, de todos, aquele que consegue federar e mobilizar o partido? Há um único militante que eu entendo que o pode fazer e que tem condições para o fazer e que é um activo para o país - não é um activo para o PSD, é um activo para o meu país. É Marcelo Rebelo de Sousa", advogou Arnaut.

Por sua vez, numa entrevista transmitida às 23:00 horas pela Rádio Renascença, o presidente do Instituto Francisco Sá Carneiro, Alexandre Relvas, defendeu que "é preciso criar condições" para que Marcelo Rebelo de Sousa se candidate à liderança do PSD e que " aqueles que o apoiam e que consideram a sua candidatura decisiva se devem mobilizar".

"Eu julgo que ele não está à espera de uma vaga de fundo, mas é natural que tenha uma expectativa de ter um apoio generalizado no âmbito do partido. Ele é, de facto, hoje, o militante do PSD melhor colocado para ser presidente do partido, se tivermos em conta a credibilidade e popularidade que ele tem, não só no PSD, mas no país", completou Alexandre Relvas.

Questionado pela Agência Lusa se, no seu entender, Marcelo Rebelo de Sousa afastou a possibilidade de se candidatar à liderança do PSD com as suas declarações mais recentes, Matos Correia respondeu que o antigo presidente do PSD "fez aquelas declarações num determinado contexto" e que "quando mudam os contextos, também mudam as vontades".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.