Quercus transmite 25 conselhos para a sustentabilidade ambiental


 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Jun de 2010, 15:28

Ter cuidado na escolha de alimentos, que devem ser diversos, nacionais e sem transgénicos, reduzir o consumo de água e de energia e utilizar transportes públicos são alguns dos conselhos visando a sustentabilidade ambiental, avançados hoje pela Quercus.

A associação ambientalista aproveita o Dia Mundial do Ambiente, que se assinala no sábado, e o facto de comemorar 25 anos em outubro para transmitir 25 conselhos aos consumidores com o objetivo de proteger a natureza.

Um dos apelos é que os consumidores estejam informados acerca da legislação e dos desenvolvimentos científicos e técnicos, "elemento fundamental para ser um cidadão sustentável", outro que participem através das organizações cívicas.

"Ao contrário do que muitos advogam, a culpa pelo estado em que o planeta se encontra não é só ´dos outros´, é também nossa e por duas vias: porque nos demitimos de fazer melhor e de pressionar quem de direito no mesmo sentido", salienta um comunicado da Quercus.

Evitar comportamentos que podem ter consequências negativas para as florestas, como incêndios, e colaborar nas diferentes alternativas para a gestão de resíduos são outras áreas abrangidas pelos conselhos.

Defendendo que ao eliminar o que é supérfluo o consumidor está a ser "mais ecológico, mas também a ter maior bem-estar económico e a garantir o equilíbrio emocional", a associação aconselha a analisar as opções quotidianas, com impacto na pegada ecológica, e e retirar "os melhores ensinamentos da crise".

"Se acha que os produtos ou serviços mais sustentáveis (agricultura biológica, rótulos ecológicos ou comércio justo) são caros, desengane-se", salienta Quercus.

Relativamente aos produtos ou serviços convencionais, "podemos pagar pouco no momento da aquisição, mas todos acabamos por pagar muito mais pela poluição e destruição ambiental, bem como pelo desrespeito dos direitos sociais", alerta.

Utilizar as máquinas de lavar na carga máxima e com temperaturas moderadas, procurar lâmpadas ou equipamentos elétricos com melhor desempenho em termos de sustentabilidade, diminuir o consumo de carne e evitar comprar peixe de zonas sobre exploradas e optar por sacos reutilizáveis são alternativas que estão na lista.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.