PSP destaca 590 agentes para jogo de "risco elevado"

PSP destaca 590 agentes para jogo de "risco elevado"

 

Lusa/AO online   Futebol   29 de Ago de 2008, 18:32

A Polícia de Segurança Pública (PSP) anunciou o destacamento de 590 agentes para o policiamento do Benfica-FC Porto, principal embate da segunda jornada da liga de futebol, que se disputa sábado e é considerado “jogo de risco elevado”.
“Dada a rivalidade histórica entre as duas equipas e a lotação, que se prevê completa (65.000 espectadores), o jogo é considerado pela legislação portuguesa como jogo de risco elevado, aliás essa avaliação foi validada pelo Conselho para a Ética e a Segurança no Desporto (CSED), do Conselho Nacional do Desporto (CSD)”, adiantou a comissária da PSP Paula Monteiro.

    Paula Monteiro precisou que “a PSP vai destacar elementos da Unidade Especial de Polícia (UEP), que reforçam o comando da PSP de Lisboa, da Investigação Criminal, da Ordem Pública, de Trânsito, de Policiamento de visibilidade, de Inactivação de Engenhos Explosivos e Segurança em sub-solo e dos designados “spotters”, que fazem o acompanhamento dos adeptos organizados e fazem a intervenção”.

    “Todos os elementos de todas estas valências perfazem o total de 590 elementos da PSP”, acrescentou, adiantando que a operação começa às 09:00 nas imediações do estádio, “no que respeita a condicionamento do trânsito e do estacionamento”, e às 16:45 no complexo desportivo, “duas horas antes da abertura de portas, prevista para as 18:45”.

    De acordo com Paula Monteiro, estão previstos dois tipos de segurança, uma para o interior e outra para o exterior do estádio, a primeira com especial atenção das equipas de Investigação Criminal “ao furto de pessoas e viaturas”, da divisão de segurança a Transportes Públicos para “reforçar as linhas de metro e autocarro que confluem ao estádio e da divisão de trânsito “para impedir estacionamento irregular e abusivo”.

    A PSP vai ainda fazer o acompanhamento numa “caixa de segurança” dos adeptos do FC Porto desde a sua saída da cidade à entrada no Estádio da Luz com a UEP, membros do Corpo de Intervenção, equipas cinotécnicas e de Intervenção Rápida, assim como das claques do Benfica.

    No que diz respeito às claques, as autoridades prevêem a presença de 1.800 elementos dos Super Dragões 300 e do Colectivo 85, apoiantes do FC Porto, e 600 dos Diabos Vermelhos e 2.000 dos No Name Boys, afectas ao Benfica.

    A PSP recordou ainda que são crimes “o arremesso de objectos para o relvado, mesmo que deles não resultem ofensas corporais, a entrada na área de competição e a venda e compra de bilhetes fora dos locais oficiais” e podem ser “punidos com a inibição temporária ou definitiva de entradas nos estádios”.

    Paula Monteiro deixou ainda conselhos aos adeptos que se deslocarem ao estádio, recordando que “não é permitida a entrada de crianças com menos de três anos” e pedindo às pessoas para “se deslocarem o mais cedo possível para o estádio e utilizarem os transportes públicos”.

    Deixou ainda um alerta para os espectadores terem atenção ao facto de “grandes aglomerados potenciarem a acção de carteiristas” e alertou aos que insistirem em levar carro para o estacionarem em zonas com luz para evitar furtos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.