Açoriano Oriental
PSD/Açores preocupado com a redução "significativa" de professores colocados

O PSD/Açores disse estar preocupado com a “redução significativa” do número de professores colocados na região, salientando que “não é possível” promover o sucesso escolar “reduzindo o número” de docentes.

PSD/Açores preocupado com a redução "significativa" de professores colocados

Autor: Lusa/AO online

Segundo a número três da lista do partido candidata às próximas eleições regionais pelo círculo de São Miguel, Sofia Ribeiro, a “redução significativa da colocação de professores”, seja em regime de afetação, seja de contratação, é umas das “grandes preocupações” dos sociais-democratas.

“Não é possível promovermos o sucesso escolar na região reduzindo o número de professores”, declarou à agência Lusa.

Sofia Ribeiro falava hoje, em Ponta Delgada, após uma reunião com o Sindicato Democrático dos Professores dos Açores.

A antiga eurodeputada referiu que existe uma redução superior a 10% no número de docentes colocados na região e salientou que os Açores estão na “cauda do país e da Europa no que concerne aos rácios na educação”.

Sofia Ribeiro também recordou o “ano especial” devido à covid-19, destacando ser necessário aferir “em que ponto de situação” está a educação dos alunos, após parte do ano letivo passado ter sido lecionado à distância.

A candidata do PSD/Açores, professora de profissão, acrescentou que no continente, o Ministério da Educação, liderado por Tiago Brandão Rodrigues, aumentou a colocação de professores face à pandemia da covid-19.

“O ministro da Educação anunciou que vai colocar mais 2.500 professores face à situação de pandemia. Nós aqui na região estamos a fazer o percurso contrário e estamos a reduzir”, declarou.

Sofia Ribeiro alertou para a “situação desumana” que se tem verificado na região no que diz respeito ao “recurso sucessivo a professores contratados, violando uma diretiva europeia”.

“Hoje, dia 01 setembro, temos professores nos Açores, com oito, nove, dez anos de serviço e que no dia 02 estão desempregados, fruto desta redução [do número de colocações]. É preciso inverter rapidamente esta situação se queremos ter sucesso educativo”, afirmou.

A social-democrata também referiu existir uma “grande indefinição” relativamente às condições de funcionamento das escolas devido à covid-19, dando o exemplo das aulas de Educação Física, cujos “professores não sabem em que condições vão trabalhar”.

O presidente do Sindicato Democrático dos Professores dos Açores, Ricardo Batista, disse ser preocupante, nesta altura, as diretrizes da Autoridade de Saúde sobre o funcionamento das escolas “serem poucas ou nenhumas”.

O sindicalista referiu que a redução do número de professores acarreta “dificuldades acrescidas” para a escola e para os alunos, criticando “o mesmo drama de sempre” vivido por muitos professores antes do início de cada ano letivo a propósito das colocações.

“O que seriamente nos preocupa é a confusão que a tutela faz passar frequentemente do que são necessidades permanentes e do que são necessidades transitórias”, afirmou.

Este ano foram colocados 435 professores nos Açores, enquanto no ano letivo passado foram colocados 490.

Segundo dados da Pordata, referentes a 2019, os Açores têm a taxa de abandono escolar precoce mais elevada do país (27%), quando a média nacional se situa nos 10,6%.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.