Eleições regionais

PSD/A quer acabar com "olhar preconceituoso" sobre a classe média


 

Lusa/AO online   Regional   10 de Set de 2008, 15:08

O líder do PSD/Açores afirmou que quer “acabar” com o “olhar preconceituoso” que existe sobre a classe média açoriana, alegando que não vai beneficiar da redução de IRS terça-feira aprovada no Parlamento.
Numa acção de campanha do PSD na ilha Faial para eleições legislativas regionais de Outubro, Costa Neves salientou que aqueles que ganham, individualmente, entre 700 e 1.500 euros, ou os que ganham, em termos familiares, entre 2.500 e 3.500 euros, “são a fonte do progresso e da democracia”.

    “São eles o segmento dinâmico da sociedade e aqueles que mais podem contribuir para mudar a sociedade”, sublinhou o dirigente social-democrata, acrescentando que, por isso, o PSD/Açores só pode querer uma classe média “mais numerosa, mais sólida e mais forte”.

    Segundo Costa Neves, o PS/Açores tem feito “exactamente o contrário”, ao não permitir, por exemplo, que a classe média beneficie de uma redução de 30 por cento no IRS (Imposto sobre o Rendimento Singular).

    Declarações do líder do PSD/Açores que surgem na sequência da aprovação, terça-feira na Assembleia Legislativa dos Açores, da proposta do Governo açoriano que reduz a taxa de IRS nas ilhas para 30 por cento no primeiro escalão e para 25 por cento no segundo escalão de rendimentos em relação às taxas do continente

    Os sociais-democratas abstiveram-se na votação dessa proposta, porque entendiam que o Governo deveria ter definido uma redução de 30 por cento, idêntica para todos os escalões de rendimentos, de forma a beneficiar, sobretudo, a classe média.

    “Distinguir os mais vulneráveis, que devem merecer uma primeira atenção, não pode excluir todos os outros, e não podemos abandonar, ignorar e combater a classe média, como têm feito os socialistas”, justificava o PSD.

    Também o deputado do CDS/PP, Artur Lima, propôs alterações às percentagens de redução de imposto defendidas no diploma do Governo, mas a maioria socialista não aceitou alterar a sua proposta.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.