Protecção Civil aconselha população a manter-se em casa

Protecção Civil aconselha população a manter-se em casa

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Dez de 2009, 09:47

A população deve reduzir ao mínimo indispensável as deslocações, procurando manter-se em casa, sobretudo nas zonas mais afectadas pelas intempéries, aconselha a Autoridade Nacional de Protecção Civil no âmbito do mau tempo que assola o país.

A Autoridade Nacional de Protecção Civil, que ao final da tarde esteve em videoconferência com o Instituto de Meteorologia, sugere ainda cuidados redobrados no que respeita à condução de veículos e desaconselha actividades na orla marítima.

Devem, igualmente, ser observados cuidados particulares nos locais historicamente mais vulneráveis a situações de cheias rápidas e inundações.

Considerando as previsões meteorológicas para a noite de hoje e madrugada de quinta-feira, "existe forte probabilidade de ocorrência de valores significativos de precipitação acumulada na generalidade do território continental", sublinha a Protecção Civil.

O vento terá uma velocidade média de 75 quilómetros por hora, com rajadas que podem atingir os 120 quilómetros por hora em todo o país e as ondas podem atingir os seis metros, especialmente na costa sul.

Segundo a Protecção Civil, podem verificar-se "cheias rápidas no meio urbano, cortes de estrada devido à neve, desconforto térmico, danos em estruturas, deslizamentos de terras e dificuldades com embarcações".

Todos os distritos de Portugal, com excepção de Santarém e do arquipélago dos Açores, têm aviso laranja para a véspera de Natal, segundo o Instituto de Meteorologia.

O laranja é o quarto mais grave de uma escala de cinco avisos (que inclui ainda o branco, o verde, o amarelo e o vermelho), definindo-se pela previsão de "fenómenos meteorológicos invulgares" que podem causar "danos e acidentes pessoais".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.