Primeiro-ministro inaugura fábrica de pás de rotor e lança mais duas unidades de cluster eólico


 

Lusa/AO   Economia   15 de Nov de 2007, 05:10

O primeiro-ministro, José Sócrates, inaugura hoje, em Viana do Castelo, uma fábrica de pás de rotor, um investimento de 40 milhões de euros integrado num "cluster" eólico que vai criar 1.200 postos de trabalho naquele concelho.

Nesta deslocação a Viana do Castelo, Sócrates vai também presidir ao lançamento da primeira pedra de duas outras fábricas daquele "cluster", uma das quais de geradores e mecatrónica e a outra de torres de betão.

    Estes investimentos são assegurados pelo consórcio "Eólicas de Portugal", constituído pela EDP, Finerge, Generge, TP-Térmica Portuguesa e pela Enercon, e que foi o vencedor do concurso para a instalação de 1.200 megawatts de potência eólica.

    No total, o consórcio vai construir cinco fábricas em Viana do Castelo, que criarão cerca de 1.200 postos de trabalho directos.

    "Viana do Castelo disporá de um 'cluster' industrial, competitivo e de referência a nível mundial, com soluções tecnológicas de primeira linha, já classificado como a AutoEuropa dos ventos", sublinhou fonte da Câmara local.

    Aquele consórcio propõe-se investir 1.750 milhões de euros, até 2011, e criar 1.800 postos de trabalho directos "em regiões desfavorecidas" do país, com a construção de sete fábricas de raiz, que abrirão até Agosto de 2008, e a instalação de 48 parques eólicos.

    Além das cinco fábricas de Viana do Castelo, as outras duas unidades estão projectadas para Sever do Vouga (secções metálicas para torres de betão) e Braga (armaduras de ferro).

    Com este investimento, considerado "o maior projecto energético de sempre do país", Portugal, que actualmente apenas fabrica 20 por cento dos componentes dos aerogeradores, vai tornar-se exportador no sector.

    "Mais de 60 por cento da produção será para exportação", disse o presidente da "Eólicas de Portugal", Aníbal Fernandes.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.