Presidente do governo espera que futuro da RTP/Açores conheça "alguma luz" em dezembro

Presidente do governo espera que futuro da RTP/Açores conheça "alguma luz" em dezembro

 

Lusa/AO online   Regional   21 de Nov de 2013, 17:44

O presidente do Governo dos Açores disse que deposita "elevadíssimas esperanças" na visita ao arquipélago do ministro Poiares Maduro, em dezembro, no âmbito da procura de uma solução para o futuro da RTP regional.

“Se aquilo que o senhor ministro teve a oportunidade de me transmitir foi que quando tivesse concluído um trabalho de análise da sua parte, viria aos Açores para apresentar a sua solução em relação a esta matéria, naturalmente que tenho expectativas que assim será e que, finalmente, este assunto poderá conhecer alguma luz”, disse Vasco Cordeiro.

O presidente do Governo Regional falava em Ponta Delgada, no final de uma audiência concedida ao Conselho de Opinião da RTP.

O presidente do Conselho de Opinião da RTP, Manuel Coelho da Silva, considerou por seu turno que a situação da RTP/Açores “tem que ser revista, melhorada e encontrada uma solução que corretamente enquadre aquilo que são os grandes objetivos de serviço público nos Açores”.

Manuel Coelho da Silva considera que houve “larga convergência” com o presidente do Governo dos Açores sobre esta matéria, tendo revelado que até final do ano o órgão a que preside terá o seu parecer concluído sobre o que deve ser o novo contrato de serviço público de televisão.

O deputado da maioria socialista nos Açores, Pedro Moura, defendeu, por seu turno, na sequência de um encontro da Comissão de Assuntos Parlamentares da Assembleia Legislativa regional com o presidente do Conselho de Opinião da RTP, a criação de uma entidade de rádio e televisão regional com capital social maioritariamente detido pelos Açores.

Pedro Moura referiu que este serviço público não deverá ter “restrições temporais, funcionando 24 horas por dia e emitindo quer para o continente, quer para a diáspora açoriana”.

A proposta socialista (como já tinha indicado o Governo Regional) é que o Conselho de Administração dessa nova entidade seja nomeado por 2/3 dos deputados do parlamento dos Açores o que, para Pedro Moura, é a maneira de “clarificar e impossibilitar qualquer tentativa de governamentalização futura”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.