Prémios Nobel de 2013 começam a ser divulgados na segunda-feira

Prémios Nobel de 2013 começam a ser divulgados na segunda-feira

 

Lusa / AO online   Internacional   5 de Out de 2013, 13:15

A temporada dos prémios Nobel 2013 começa na segunda-feira com a divulgação do galardão para a área da Medicina, mas a distinção que gera mais especulação, o Nobel da Paz, só será conhecida no dia 11.

 

Entre os nomes mais falados para o Nobel considerado mais mediático está a jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, que foi vítima de um ataque talibã, o médico congolês Denis Mukwege (ginecologista especializado no tratamento de vítimas de violações na República Democrática do Congo) e militantes dos direitos humanos da Rússia e da Bielorrússia.

Na segunda-feira, às 11:30 locais (10:30 de Lisboa), o Comité Nobel do Instituto Karolinska em Estocolmo irá anunciar o galardoado ou galardoados do Nobel da Medicina.

Segue-se depois as áreas da Física (dia 08), Química (dia 09), Paz (dia 11) e Economia (dia 14), de acordo com a página oficial da organização.

Cumprindo com a tradição, a academia sueca ainda não estabeleceu uma data concreta para o anúncio do Nobel da Literatura.

Os diferentes comités de atribuição mantêm o secretismo habitual sobre os nomes dos possíveis candidatos à galeria de notáveis.

O Comité Nobel norueguês, que atribui o Nobel da Paz em Oslo, confirmou que recebeu este ano um número recorde de candidaturas, 259.

O diretor do Instituto para a Investigação sobre a Paz (Prio) em Oslo, Kristian Berg Harpviken, acredita que Malala poderá ser a escolha para o Nobel da Paz 2013.

Harpviken, cujas previsões nunca foram certeiras, encara a adolescente, atacada em 2012 pelos talibãs por defender a educação para as adolescentes e mulheres, como “um símbolo do direito das mulheres e das crianças à educação e à segurança, mas também do combate contra o extremismo e da opressão”.

Outras opiniões acreditam que esta distinção poderá ser muito pesada para a adolescente de 16 anos. Caso seja distinguida, Malala Yousafzai será a laureada mais jovem da história dos prémios Nobel.

Segundo o diretor do Instituto Internacional de Estudos da Paz (SIPRI, na sigla em inglês) em Estocolmo, Tilman Bruck, citado pela agência norueguesa NTB, o prémio poderá ir para os promotores do processo de paz na Colômbia, mas também para os reformadores da Birmânia.

Asle Sveen, um historiador especializado, considera que o galardão irá distinguir o congolês Denis Mukwege, pelo seu trabalho com mulheres vítimas de violações.

Entre os outros potenciais candidatos, estão ainda as ativistas russas Lioudmila Alexeeva, Svetlana Gannouchkina e Lilia Chibanova, a organização não-governamental Memorial e o militante bielorrusso Ales Beliatski, atualmente detido e que recebeu recentemente o primeiro prémio Vaclav Havel do Conselho da Europa.

O prémio seria uma forma de denunciar a repressão e violação dos direitos e das liberdades nestes países, salientou a agência noticiosa AFP.

Também propostos para o Nobel da Paz foram o informático Edward Snowden, procurado pela justiça norte-americana por ter denunciado a espionagem de comunicações de vários países por Washington, e Bradley Manning, o militar norte-americano condenado a 35 anos de cadeia por divulgar documentos secretos.

Entre as figuras internacionais distinguidas em anos recentes com este galardão constam Barack Obama (2009), Kofi Annan (2001), Ximenes Belo e José Ramos-Horta (1996), Nelson Mandela e Frederik Klerk (1993) e Aung San Suu Kyi (1991).

O prémio Nobel para área da literatura também é objeto de muita especulação.

“Acredito fortemente que será uma mulher este ano”, disse, em declarações à AFP, Bjorn Wiman, editor de cultura do diário sueco Dagens Nyheter.

A bielorrussa Sveltlana Alexievitch, a norte-americana Joyce Carol Oates, a canadiana Alice Munro e a argelina Assia Djebar são alguns dos nomes mais falados.

O escritor japonês Haruki Murakami, o romancista norte-americano Philip Roth ou o poeta sul-coreano Ko Un estão igualmente entre os potenciais vencedores.

O montante dos prémios foi fixado em 2012 em oito milhões de coroas suecas (cerca de 930.000 euros).

Os laureados irão receber os respetivos prémios em cerimónias oficiais em Estocolmo e em Oslo no dia 10 de dezembro, dia do aniversário da morte do fundador do galardão, Alfred Nobel, em 1896.

Os prémios Nobel nasceram da vontade do químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em doar a sua imensa fortuna para o reconhecimento de personalidades que prestassem serviços à humanidade.

O inventor da dinamite expôs este desejo num testamento redigido em Paris em 1895, um ano antes da sua morte.

Os prémios foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Nos últimos 111 anos, os galardões distinguiram 838 pessoas (44 mulheres e 794 homens), com uma média de idade de 59 anos, e 24 organizações.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.