Legislativas regionais

PPM quer incluir temática da violência doméstica nas escolas


 

Lusa/AO online   Regional   1 de Set de 2008, 15:19

O Partido Popular Monárquico (PPM) defendeu a inclusão obrigatória da temática da violência doméstica nas escolas açorianas, como forma de combater um problema de âmbito nacional cuja resolução deve ser encarada como "prioritária".
"Nunca nos orgulharemos plenamente da nossa sociedade enquanto um grande número de mulheres açorianas continuarem a ser vítimas de violência doméstica na nossa sociedade", afirmou à agência Lusa o cabeça de lista do PPM por São Miguel às regionais de Outubro, Gonçalo da Câmara Pereira.

    Depois de um visita à sede da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), em Ponta Delgada, Gonçalo da Câmara Pereira adiantou que se for eleito como deputado para o parlamento açoriano vai procurar incentivar praticas de prevenção, perante um acto que classificou de "cobarde e injustificável".

    O candidato do PPM anunciou que irá propor que a abordagem da temática da violência doméstica passe a ser obrigatória nas escolas açorianas, especificamente na disciplina de educação cívica, assim como a realização de campanhas de sensibilização e divulgação dos mecanismo de auxílio existentes para as vítimas no arquipélago.

    No programa eleitoral dos monárquicos a questão da violência eleitoral será alvo de "especial atenção", por entenderem que "muito pode ser melhorado no âmbito do combate a este pesadelo".

    "Da análise que fizemos do fenómeno ainda existe muita falta de informação em relação aos mecanismo que as instituições governamentais e de solidariedade social disponibilizam", disse Gonçalo da Câmara Pereira, apontando como principais causas que levam à violência o álcool e a droga.

    As eleições para o parlamento açoriano estão agendadas para 19 de Outubro, data em que serão eleitos 57 deputados.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.