Polícia Judiciária desmantelou grupo que praticava crimes violentos


 

Lusa/AO Online   Nacional   23 de Nov de 2011, 06:38

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Contra-Terrorismo, desmantelou na terça-feira na região da grande Lisboa, um grupo organizado de indivíduos que se dedicava à prática de crimes violentos.

Segundo a força policial, o grupo era procurado por praticar raptos agravados, homicídio, roubo, ofensas à integridade física qualificada, extorsões e tráfico de estupefacientes.

O comunicado da Policia Judiciária informa que no domingo de madrugada o grupo raptou um homem no concelho de Sintra, facto que levou a que a operação policial fosse desencadeada.

Na operação, realizada na segunda-feira no concelho do Seixal, foi possível libertar o indivíduo que tinha sido raptado e deter, em flagrante, os seis autores que, naquele momento, com ele se encontravam.

“Terça-feira foram detidos mais dois dos restantes membros do grupo, que foi, assim, desmantelado”, indica a Polícia Judiciária.

No verão já tinham sido detidos outros quatro indivíduos, suspeitos da prática de crimes semelhantes, que desde então se encontram em prisão preventiva.

De acordo com a página de Internet da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, o Ministério Público emitiu sete mandados de detenção contra os membros do grupo, que era dirigido, a partir do interior da cadeia, por um arguido que se encontra a cumprir uma pena de prisão.

Entre os crimes violentos cometidos por este grupo, a página de Internet da procuradoria destaca um rapto ocorrido a 20 de julho em que os arguidos utilizaram uma arma de fogo, espancaram brutalmente a vítima e conseguiram obter em troca da sua libertação, um pagamento de 98.000 euros.

Na sequência dos mandados de detenção emitidos pelo Ministério Público, a Polícia Judiciária surpreendeu os arguidos na execução de um outro rapto de um empresário, a cuja família exigiam a entrega de 100.000 como resgate.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.