Recolhidas mais de mil assinaturas

Petição para forçar Parlamento a debater privatização da Sata


 

Lusa / AO online   Regional   16 de Nov de 2007, 16:37

Um grupo de cidadãos já recolheu, no espaço de um mês, mais de mil assinaturas, com o objectivo de forçar a Assembleia Regional a debater o processo de privatização da transportadora SATA, anunciado pelo Governo açoriano.
Bruno da Ponte, um dos responsáveis da comissão Pró-Petição "Transportes Aéreos nos Açores ao Serviço da População", adiantou hoje à agência Lusa que já estão reunidas as condições para que a petição seja entregue no início de Dezembro no parlamento açoriano.

"Para que a petição seja entregue e discutida são necessárias legalmente 300 assinaturas", indicou Bruno da Ponte, acrescentando que a recolha teve início em Ponta Delgada no dia 17 de Outubro.

Segundo o mesmo responsável, as mais de mil assinaturas recolhidas correspondem a São Miguel, uma vez que falta ainda contabilizar as assinaturas que estão a ser recolhidas nas restantes ilhas, continente e comunidades de emigrantes.

"Vamos continuar a recolha de assinaturas até final deste mês e contamos entregar a petição a 3 ou 4 de Dezembro", precisou.

Com a iniciativa, os promotores pretendem contribuir para "um esclarecimento" sobre a privatização da transportadora, alegando desconhecer-se "os moldes em que irá decorrer o processo e como será garantido o serviço público", nomeadamente no que se refere às tarifas e horários.

O executivo açoriano já anunciou a intenção de proceder, a partir de 2008, à privatização parcial do grupo de transporte aéreo que assegura as ligações entre as ilhas e para o exterior do arquipélago.

Os promotores pretendem, igualmente, a redução dos preços para viagens entre as ilhas e o continente, assim como uma tarifa única para os emigrantes radicados nos Estados Unidos da América e Canadá, independentemente da ilha de destino.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.