Dalai Lama recebido por Angela Merkel

Pequim ameaça Berlim devido a visita do Dalai Lama


 

Lusa / AO online   Internacional   25 de Set de 2007, 12:37

A China considerou hoje que o encontro da chanceler alemã, Angela Merkel, com o Dalai Lama prejudicou as relações entre os dois países, aconselhando Berlim a tomar medidas para resolver o problema.
"A recepção do Dalai Lama não só interfere gravemente com os assuntos internos da China, como também fere os sentimentos do povo chinês e prejudica seriamente as relações entre a China e a Alemanha", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Jiang Yu, em conferência de imprensa de rotina.

"Pedimos à Alemanha para tomar medidas concretas e efectivas para eliminar o impacto negativo deste erro", acrescentou Jiang, referindo-se à recepção oficial que Dalai Lama teve em Berlim.

Angela Merkel foi a primeira chefe do governo da Alemanha a receber formalmente Dalai Lama, a autoridade máxima política e religiosa tibetana, exilado na Índia desde que a China anexou militarmente o Tibete em 1959.

Durante o encontro, a chanceler expressou o apoio à autonomia cultural na região chinesa, uma das actuais exigências do líder tibetano.

O governo chinês afirmou ainda que o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, vai "reiterar a posição do país em relação a Dalai Lama" num encontro com o homólogo alemão, Frank-Walter Steinmeier, programado para Nova Iorque.

Naquela que os especialistas entenderam como a primeira retaliação à recepção de Dalai Lama em Berlim, a China cancelou nas horas seguintes dois encontros bilaterais de alto nível, entre os quais um pequeno-almoço entre Yang e Steinmeier, à margem da Assembleia-Geral da ONU.

Para Pequim, o Tibete faz parte da China desde que o maioral mongol Kublai Khan, então imperador chinês, conquistou o chamado "tecto do mundo" no século XIII.

Na versão dos exilados tibetanos, Pequim ocupa militarmente a região desde 1959, reprime a cultura e religião locais e mantém sob prisão domiciliária o "número dois" da hierarquia budista tibetana, Panchen Lama.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.