Açoriano Oriental
Pandemia fez aumentar a desnutrição entre os venezuelanos

A pandemia da covid-19 fez aumentar a desnutrição na Venezuela, país onde a população tem cada vez mais dificuldades para levar alimentos para casa, alertou hoje a diretora da Cáritas no país.

Pandemia fez aumentar a desnutrição entre os venezuelanos

Autor: Lusa/AO Online

“Temos estado monitorizando a situação principalmente o tema nutricional, dos alimentos e da saúde. As pessoas estão sem possibilidades de levar alimentos a casa, o isolamento social, a quarentena e as medidas que têm sido tomadas devido à pandemia tem afetado o ingresso dos venezuelanos”, afirmou Janeth Márquez.

Em declarações à Unión Rádio, Janeth Márquez explicou que “mais de 75% da população venezuelana trabalha na economia informal e na revenda [de produtos] e tudo isso está ‘colapsado’ devido à pandemia".

“As pessoas não têm como comprar alimentos, como fazer uma dieta balanceada e por isso, quando pesamos e medimos os meninos de 0 a 5 anos e as mulheres grávidas, vemos que entre os meses de abril, maio e junho a desnutrição aumentou”, explicou.

Segundo a diretora da Cáritas, nos meses de janeiro e fevereiro a situação das venezuelanas tinha registado uma ligeira melhoria devido “a remessas [de famílias], a alguns subsídios e ajudas", mas a partir de abril vemos como a desnutrição, “que era de 8,9%, atingiu 17,6%” de média nacional.

“Em média, temos zonas como Zúlia, Yaracuy e Falcón [três dos 24 estados do país], em que o número é superior a 22%. As pessoas não têm alimentos e começa-se a ver as consequências”, frisou.

Janeth Márquez explicou que segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “quando há mais de 10% de nutrição entre um grupo de crianças, estamos em crise, e que a partir de 15% entramos em emergência”.

Por outro lado, explicou que a Igreja Católica venezuelana, através da Cáritas Venezuela e outras organizações sociais, tem distribuído alimentos localmente, suprimentos contra o coronavírus e medicamentos para doenças crónicas.

“É urgente multiplicar por cem a entrada de ajuda humanitária. Necessitamos de ajuda. Estamos realmente assutados”, disse, precisando que há sete milhões de venezuelanos em situação de carência.

Na Venezuela estão confirmados 32.607 casos de coronavírus e 276 mortes associadas à covid-19.

Os dados oficiais dão conta que 21.747 pessoas recuperaram da doença.

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar “decisões drásticas” para combater a pandemia.

A atividade económica é limitada e apenas está permitida a comercialização de produtos básicos essenciais, em horário reduzido.

Os voos nacionais e internacionais foram restringidos até 12 de setembro e a população está impedida de circular entre os diferentes municípios do país.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 766 mil mortos e infetou mais de 21,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.