Ordem dos dentistas vai a votos amanhã


 

lusa/ao on line   Nacional   11 de Dez de 2009, 08:48

Cerca de 6500 médicos dentistas escolhem sábado o novo bastonário, depois de uma campanha marcada pela diferença de posições em relação ao cheque-dentista, mas com pontos comuns como a integração destes profissionais nos serviços públicos.

Orlando Monteiro da Silva, actual bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) e candidato a um quarto mandato, propõe-se a dar “continuidade a dossiers importantes que se encontram em negociação” com o Governo.

Em declarações à agência Lusa, o candidato da Lista A precisou que está em negociação o alargamento do programa cheque-dentista, a negociação do mecanismo de comparticipação de consultas e a inserção da medicina dentária na medicina do trabalho e dos médicos dentistas nos hospitais e centros de saúde.

O candidato rival, Fernando Guerra, disse à Lusa que a Lista B defende medidas que "marcam a diferença": “Para nós são pontos fundamentais a reformulação do cheque-dentista e a integração dos médicos dentistas, a montante de qualquer programa nacional de saúde oral”.

“Também apresentamos um conjunto de propostas que tendem a equilibrar a medicina dentária e isso passa pela integração dos médicos dentistas nas equipas de saúde escolar, pela criação de um plano nacional de urgências em saúde oral e a entrega de um boletim de saúde aos recém-nascidos e a todas as crianças dos jardins-de-infância e ensino básico”, defendeu Fernando Guerra.

Já Orlando Monteiro da Silva disse que tem “duas grandes preocupações” para este mandato: a inserção profissional dos jovens dentistas e inscrever na ordem as sociedade de medicina dentária.

O candidato lembrou que nos últimos três anos se passou de 5300 para cerca de 7200 médicos dentistas, considerando que é preciso “sensibilizar a opinião pública e as faculdades para adequar o número de diplomados que todos os anos saem das faculdades” às necessidades reais.

“Muitos jovens médicos são obrigados a emigrar porque não têm colocação em Portugal”, sublinhou.

Esta também é uma preocupação de Fernando Guerra, considerando que “existe um número elevado de entradas nos cursos de medicina dentária”.

“Há um excedente de profissionais e é fundamental que a OMD tenha respostas para isso, criando medidas como a criação de novas especialidades”, defendeu à Lusa.

Para Fernando Guerra deve ser realizado um trabalho conjunto com as instituições de ensino superior para que seja possível “diminuir o número de entradas e aumentar os lugares de pós-graduação que permitam dar acesso às especialidades que a Ordem pode e deve criar”.

Outra proposta da Lista A passa pela inscrição na Ordem, “embora sem qualquer encargo, das sociedades de medicina dentária”.

“Achamos que esta é uma fórmula adicional de ter um acrescido controlo sobre o que se passa nestas sociedades, muitas delas que obrigam, principalmente, os jovens médicos dentistas a condições menos dignificantes em termos de exercício profissional”, justificou.

Para o candidato da Lista B é necessário um “conjunto de medidas para manutenção e viabilidade de clínicas e consultórios”.

“Apresentamos propostas concretas para minorar os problemas dos médicos dentistas e isso tem sido o mote da nossa campanha, marcando sempre diferença em relação às posições que a Ordem dos Médicos Dentistas tem vindo a tomar e com as quais não nos identificamos”, sublinhou Fernando Guerra.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.