Saúde

OMS preocupada com abusos nas investigações com amostras de H5N1


 

Lusa/AO online   Internacional   30 de Dez de 2011, 16:47

A Organização Mundial de Saúde alertou para o facto de estudos realizados por instituições sobre mutações do vírus da gripe H5N1 que o tornem altamente transmissível entre humanos estarem a levantar preocupações quanto a possíveis riscos e abusos associados a essas pesquisas.
Manifestando-se “profundamente preocupada” com as possíveis consequências negativas destes estudos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) salienta, contudo, que “os estudos realizados em condições adequadas devem continuar a decorrer de modo a que continue a aumentar o conhecimento crítico científico necessário para reduzir os riscos do vírus H5N1”.

O vírus da gripe H5N1 constitui um risco significativo para a saúde, porque embora este tipo de gripe não infecte normalmente os seres humanos, muitas vezes, quando isso acontece, aproximadamente 60% dos contaminados morrem, alerta a OMS em comunicado.

Além disso, porque esses vírus podem causar doenças graves em humanos, os cientistas estão especialmente preocupados que este tipo de gripe possa um dia transformar-se de tal forma que se espalhe facilmente entre as pessoas e cause uma grave pandemia.

As investigações que possam melhorar a conhecimento destes vírus e reduzir o risco de saúde pública são um imperativo científico e de saúde, considera a OMS.

Contudo, embora seja claro que a realização de pesquisas para obter tal conhecimento deve continuar, é também claro que algumas pesquisas, especialmente as que podem gerar formas mais perigosas do vírus do que aquelas que já existem, têm riscos.

Por isso, a OMS realça que esses estudos devem ser feitos somente depois de identificados e revistos todos os riscos e benefícios para a saúde pública, assim como têm que estar asseguradas as protecções necessárias para minimizar possíveis consequências negativas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.