Medicamentos

Oito em cada dez doentes tomaram genéricos este ano


 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Set de 2011, 18:12

Oito em cada dez doentes tomaram medicamentos genéricos no primeiro semestre do ano, segundo um estudo hoje divulgado, que indica que os médicos se recusaram a receitar genéricos apenas a quatro por cento da população.
Alguns dados do estudo efectuado pela Escola Nacional Saúde Pública (ENSP) foram hoje divulgados pelo bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, que em conferência de imprensa recusou a ideia de os profissionais portugueses serem contra a prescrição de genéricos.

“Cerca de quatro por cento dos doentes não tomaram genéricos no primeiro semestre do ano porque alegadamente os médicos se recusaram a passar genéricos. Mas é preciso não esquecer as justificações científicas para o fazer”, começou por defender José Manuel Silva.

O bastonário lembrou o caso dos medicamentos de margem terapêutica estreita, que não devem ser substituídos, e os casos “pessoais de médicos e doentes com más experiências anteriores com genéricos”: os medicamentos são "bioequivalentes mas depois não existe igualdade de efeitos".

Há ainda as situações em que a diferença de preços entre originais e genéricos é tão pouco significativa que os doentes optam pelos originais e os casos em que os medicamentos não necessitam de receita médica obrigatória, lembrou ainda José Manuel Silva.

Segundo o estudo da ENSP, 85 por cento dos doentes tomaram genéricos no primeiro semestre de 2011. A estes números, o bastonário acrescenta outros cinco por cento da população que terão tomado genéricos antes de 2011, "ou seja 90 por cento da população já terá tomado genéricos".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.