Acidente em Castelo Branco

Ocupantes do automóvel envolvido no acidente são professoras


 

Lusa / AO online   Nacional   7 de Nov de 2007, 17:19

Quatro pessoas seguiam no Ford Fiesta que embateu no autocarro da Câmara de Castelo Branco e que esteve na origem do acidente segunda-feira na A23, sendo quatro professoras, que entretanto entraram de "baixa", disseram à Lusa fontes oficiais.
Anteriormente, foi noticiado que no automóvel seguiam apenas duas pessoas, com base em informações de entidades envolvidas no socorro às vítimas do grave acidente, que causou a morte a 15 pessoas, além de vários feridos.

Aquilino Neto, do Conselho Executivo da Escola EB 2,3/S de Mação afirmou tratar-se de quatro pessoas, todas professoras naquela escola, que entretanto "meteram baixa por tempo inderteminado".

O ambiente que se vive no estabelecimento de ensino é de "consternação e muito falatório", adiantou o responsável.

As quatro vítimas "estão muito abaladas com o sucedido e o seu regresso depende de factores aos quais este Conselho Executivo não pode nem sabe responder", disse também Aquilino Neto.

O vereador com o Pelouro da Educação da Câmara de Mação disse à Lusa não ter sido contactado formalmente pelo Conselho Executivo da Escola sobre o sucedido e que até ao momento nenhum pedido de ajuda foi formulado à autarquia.

"A informação ainda é pouco clara, mas existe um sentimento de consternação e também de preocupação para com as professoras que estão em estado de choque e que precisam de forte ajuda psicológica", referiu José Almeida.

Segundo este responsável, "a situação está a ser acompanhada de perto, até porque quatro professores de baixa de uma só vez afecta uma quantidades imensa de alunos".

Por sua vez, o presidente da Câmara de Mação, Saldanha Rocha, disse à Lusa estar preocupado com uma situação que classificou de "dramática" e "por ser com pessoas" que estão "ligadas" profissionalmente ao concelho.

"Vamos estar particularmente atentos" - adiantou - "ao evoluir da situação e tentar sensibilizar as entidades responsáveis para que os alunos não fiquem sem professores durante muito tempo".

Segundo disse, "é importante que os alunos se concentrem e que se retome quanto antes a normalidade do funcionamento da escola".

"Os míudos estão muito agitados e estão a pagar parte da factura, porque hoje tinham testes importantes para fazer que já não realizaram devido à baixa dos professores", disse ainda Saldanha Rocha.

A governadora civil de Castelo Branco, Alzira Serrasqueiro, confirmou à Lusa que seguiam naquele Ford Fiesta "quatro pessoas", não adiantando mais qualquer informação, alegando o segredo de Justiça, uma vez que há um inquérito em curso sobre as circunstâncias em que ocorreu o grave acidente.

"Confirmo que são quatro pessoas", disse a governadora Alzira Serrasqueiro, sem precisar se são ou não mulheres.

Entretanto, fontes dos Hospitais de Castelo Branco e da Covilhã disseram à Lusa só haver registo de duas ocupantes do automóvel que recorreram a apoio médico.

No Hospital de Castelo Branco só há registo de entrada da condutora, enquanto no Hospital da Covilhá existe registo da entrada da condutora, transferida de Castelo Branco, e de uma acompanhante, que passou por lá durante a noite, precisaram as mesmas fontes daquelas unidades de saúde.

O comandante distrital de Castelo Branco da GNR, Hélder Almeida, contactado pela agência Lusa, disse não ter conhecimento sobre quantas pessoas seguiam naquela viatura na altura do acidente.

A Lusa tentou entrar em contacto com as professoras e as suas famílias, mas nenhuma pessoa se mostrou disponível para comentar.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.