Açoriano Oriental
"Ninguém duvida que fomos vítimas de vários crimes", diz Luís Filipe Vieira

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, saudou a decisão judicial de hoje que condenou o FC Porto a pagar aos 'encarnados' cerca de dois milhões de euros pela divulgação de emails do clube da Luz.

article.title

Foto: José Sena Goulão/LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

"Hoje mesmo ficámos a conhecer a exemplar condenação da conduta ilícita do Futebol Clube do Porto e de alguns dos seus colaboradores por sentença da Justiça. No âmbito dos processos por divulgação criminosa da nossa correspondência privada, já não é a primeira vez que os tribunais nos dão razão", lançou o líder das 'águias' durante a assembleia-geral do clube.

Vieira destacou que "estando em investigação todo o processo do roubo, foi assim já dada como provada, mais uma vez, a existência de uma divulgação ilícita, mas também a manipulação e deturpação do conteúdo dos emails".

E realçou: "Hoje, já ninguém dúvida de que fomos vítimas de vários crimes de enorme gravidade."

Segundo o dirigente, que apelou à moderação nas palavras e à ação vigorosa nos tribunais, "o tempo agora é da justiça", mostrando-se confiante de que vai "prevalecer a verdade" no final dos processos em curso.

"O que verdadeiramente esteve em causa é que, face à inexistência de uma estratégia própria, de uma organização e planeamento, perante o descalabro financeiro, à ausência de resultados desportivos e a um modelo de gestão que parou no tempo, esta foi a estratégia encontrada para criar um permanente ambiente de ameaça e coação sobre os diversos agentes desportivos, agora inovando para os novos modelos da criminalidade digital", atirou Vieira.

O juiz José António Rodrigues da Cunha deu hoje a conhecer a sentença que condena o FC Porto em cerca de dois milhões de euros (ME) pela divulgação dos emails do Benfica.

No processo movido pela SAD do Benfica, que reclamava 17,7 milhões de indemnização, foram condenados o FC Porto, a SAD ‘azul e branca’ e o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, ao pagamento de 523 mil euros por danos patrimoniais emergentes e 1,4 ME por danos não emergentes, pela divulgação da correspondência, enquanto o presidente do clube, Pinto da Costa, os administradores dos 'dragões' Fernando Gomes e Adelino Caldeira e a empresa Avenida dos Aliados, detentora do Porto Canal, foram absolvidos.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.